domingo, 17 de junho de 2018

Postais pelo Mundo | Espanha (2)

Recebi recentemente o segundo postal vindo do nosso país vizinho, a Espanha.

O postal apresenta uma fotografia da fachada do Palácio da Música Catalã, um auditório de música localizado em Barcelona.



quinta-feira, 14 de junho de 2018

[Especial 6º Aniversário] Passatempo Suma de Letras


Para festejar o 6º aniversário do blog, preparei alguns presentes para vocês.
Em parceria com a Suma de Letras, tenho para oferecer o thriller Boneca de Trapos, de Daniel Cole.
Podem encontrar a minha opinião aqui.

Para se habilitarem a ganhar este livro, basta preencherem corretamente o formulário, tendo em conta as seguintes regras:
- O passatempo termina às 23h59min do dia 25 de junho;
- Cada partilha nas redes sociais dá direito a uma entrada extra;
- Podem participar uma vez por dia, desde que divulguem;
- Participações com dados incompletos serão anuladas;
- O vencedor será escolhido aleatoriamente, através do Random;
- O vencedor será publicado no blogue e contactado por email, tendo 48h para responder, indicando a morada para envio do prémio;
- Só são aceites participações de Portugal;
- O envio do prémio ficará a cargo da editora.

6º Aniversário do Blog


Uau! Parece que ainda há tão pouco tempo estava a escrever as primeiras publicações deste blog, e hoje ele já comemora o seu 6º aniversário!

Este muito orgulhosa deste número tão redondinho. Tem sido, e continua a ser diariamente, muito bom partilhar convosco as minhas aventuras literárias.

Além disso, pertencer a esta comunidade dos blogs literários tem feito a minha estante encher-se até ao ponto de estar quase a rebentar pelas costuras e aumentar a minha interminável lista de livros a ler.

Quero agradecer a todos pela vossa presença e por me lerem diariamente.
Deixo também um agradecimento especial às editoras que me apoiam e que gentilmente me oferecem novidades, permitindo-me conhecer novos autores e histórias apaixonantes.

Obrigada a todos os que continuam desse lado!

Desejo-vos excelentes leituras!

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Palavras Sentidas


"Quando se ama alguém, podemos lidar com as pequenas falhas, mas não queremos ver as grandes. Não queremos admitir do que é capaz a pessoa a quem nos ligámos, portanto fingimos que não está lá."

Cerimónia Mortal
J. D. Robb

terça-feira, 12 de junho de 2018

"Sorrisos Quebrados" de Sofia Silva [Opinião]


Foram várias as razões que me levaram a adquirir este livro logo após o seu lançamento: primeira, acho importante apoiar o trabalho dos autores nacionais; segunda, Sofia Silva conquistou os leitores brasileiros e teve mais de um milhão de leituras no Wattpad; e por fim, o livro foi publicado em Portugal pela Editorial Presença, uma editora que geralmente nos costuma trazer livros de qualidade.

Infelizmente, não encontrei qualidade neste livro e é por isso que esta opinião está a ser bastante difícil de escrever.
Confesso que me apaixonei pela capa do livro, que é uma das mais maravilhosas que já vi.
As minhas expectativas eram elevadas e iniciei a leitura poucos dias depois de ter recebido o livro em casa.

Sorrisos Quebrados apresenta-nos Paola, uma mulher fragilizada pela violência que sofreu no passado às mãos do homem que amava. Mas Paola decide viver e será no mais improvável dos lugares que irá descobrir que é possível voltar a amar.

O prólogo do livro está bastante bem conseguido, na medida em que prende de imediato o leitor. São páginas de grande violência, aflitivas e arrepiantes.

Logo desde o início nota-se que a escrita da autora é bastante simples, mas a mim pareceu-me simples de mais e pouco caprichada. Encontrei várias frases com problemas de sintaxe e que não teriam perdido se fossem melhoradas ou modificadas. Encontrei palavras escritas em português do Brasil, o que me fez acreditar que este livro não teve uma correta revisão por parte da editora.

Os diálogos foram o aspeto que mais me fez confusão neste livro. Estão repletos de metáforas, são forçados, demasiado ensaiados e não consigo sequer imaginá-los como reais. Nem sequer imagino pessoas a falar assim na vida real, muito menos em livros.
Contudo, é através de muitos desses diálogos que a autora passa a mensagem do livro, uma mensagem de força e de que é possível superar as dificuldades. Esta é uma mensagem muito importante, e que certamente resultaria com diálogos diferentes.

As intervenções da Sol e as interações que as personagens têm com ela, por sua vez, pareceram-me bem mais reais. A Sol é uma criança amorosa e encantadora, que trouxe luz e alma a este livro. Notou-se o carinho com que a autora construiu esta personagem pois também a escrita, nesses momentos, era muito carinhosa.

O romance está escrito na primeira pessoa e vai alternando entre a perspetiva de Paola e a de André. O que senti, por diversas vezes, foi que nos eram dadas mais informações do que aquelas a que a primeira pessoa teria acesso. Era como se o narrador quisesse aproveitar as observações e pensamentos de determinada personagem e introduzir informações acerca daquilo que a rodeava.

Um outro aspeto que falhou neste livro foi o contar vs. mostrar. Este romance foi quase todo contado ao leitor, quando devia ter sido mostrado. O que é que acham que cativa mais um leitor: uma personagem contar a outra como sofreu com o seu passado ou o leitor ser levado ao passado para ver com os próprios olhos o sofrimento que ela vivenciou?
Este é um dos aspetos mais importantes numa narrativa e que faz a diferença entre o leitor sentir empatia pelas personagens ou não se preocupar minimamente com elas.

O que aconteceu comigo foi que não me consegui prender nem à Paola nem ao André. Não senti aquela química entre eles nem o crescer dos sentimentos e acho que a Paola se deixou envolver muito depressa, tendo em conta o estado fragilizado em que se encontrava.
As partes eróticas foram uma surpresa. Claro que esperava encontrar romance, mas houve momentos em que desesperei porque havia demasiadas cenas quentes para um livro tão pequeno.

Em suma, sinto-me defraudada. Estou triste por não ter apreciado este livro tanto como gostaria e por não ter sido capaz de perceber o que tem de tão especial, além da mensagem de força.
Sinto que fui enganada pela publicidade e estou arrependida de o ter comprado.
Não vou desaconselhar a sua leitura. Acho que devem lê-lo e formular a vossa própria avaliação. Talvez consigam encontrar nele o encanto que eu não encontrei.

Não sei se tenho curiosidade em conhecer as outras histórias desta série. Talvez dê outra oportunidade a um futuro livro da autora se o conseguir emprestado, mas certamente não voltarei a comprar.

Classificação: 2/5 estrelas

segunda-feira, 11 de junho de 2018

"A Mulher Entre Nós" de Greer Hendricks & Sarah Pekkanen [Opinião]


Quero desde já agradecer à editora Suma de Letras pela gentil oferta deste exemplar, que me deu oportunidade de conhecer um interessante thriller de duas autoras americanas.

São-nos apresentadas duas personagens centrais deste romance: a recém-divorciada Vanessa, de 37 anos, deprimida e com dificuldade em endireitar a sua vida depois do casamento fracassado com Richard, que era tudo para ela.
Do outro lado, conhecemos Nellie, a nova noiva de Richard, apaixonada e muito entusiasmada por estar prestes a casar-se com o homem perfeito.

Desde que li a sinopse, e após iniciar a leitura, acreditei que este livro se trataria de uma história obsessiva de uma mulher ciumenta a tentar impedir a todo o custo o próximo casamento do seu ex-marido.

Fiquei entusiasmada e comecei a estar atenta, à procura de coisas que não batessem certo neste casamento. A verdade é que ninguém é perfeito e o interessante neste tipo de livros que abordam casamentos é tentar descobrir o que está errado.

Nos capítulos iniciais, não estava a conseguir sentir empatia pelas personagens. Não estava a simpatizar com Vanessa, sempre demasiado frustrada com tudo à sua volta, mas também achava que havia qualquer coisa artificial em Nellie.

Antes de eu ter tempo de suspeitar do que quer que seja, eis que surge uma reviravolta que muda tudo, incluindo a forma como estava a ver as personagens e a própria história.
A partir daqui, a história adquire um rumo completamente diferente, fugindo ao que eu estava a imaginar, embora continuasse interessante.
Ganhei nova simpatia por Vanessa e foi mais fácil compreender tudo aquilo por que ela tinha passado e a razão das suas ações tão suspeitas.

Por vezes, a leitura pode parecer um pouco morosa, mas o suspense acaba por estar sempre presente. Não é um daqueles livros que nos enerva ao ponto de roermos as unhas, mas vai alimentando a curiosidade do leitor.

O final não é daqueles de grande intensidade, mas acaba por surpreender. O epílogo apresenta uma nova situação, que só peca por não ter sido mais desenvolvida.

No geral, posso dizer que embora não tenha sido um dos melhores thrillers que li, é uma leitura que entretém bastante e que poderá ser uma boa aposta para os dias de verão.

Classificação: 3/5 estrelas

Nota: Este livro foi-me cedido pela editora em troca de uma opinião honesta.

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Os motivos]


A Silvana já recebeu um novo livro neste nosso projeto de empréstimo surpresa.

Este foi o livro escolhido:


Motivos da minha escolha:

  • É de uma autora portuguesa que a Silvana acompanha e quis dar-lhe oportunidade de ler o seu trabalho mais recente;
  • Mesmo que a Silvana não precise de fazer uma pausa nos policiais, este livro poderá proporcionar-lhe essa pausa e oferecer-lhe uma leitura que vale a pena saborear. A escrita da Carla é muito bonita.

Espero que gostes, Silvana. Boa leitura!

domingo, 10 de junho de 2018

Postais pelo Mundo | África do Sul (1)

Este foi o primeiro postal que recebi da África do Sul.
 
Apresenta uma fotografia de Johannesburg, a maior cidade da África do Sul e principal núcleo urbano, industrial, comercial e cultural do país.



quinta-feira, 7 de junho de 2018

"O Que Fica Somos Nós" de Jill Santopolo [Divulgação]

Título Original: The light we lost
Autoras: Jill Santopolo
Edição: 2018
Editora: Suma de Letras
Páginas: 344
PVP: 16,90€

"Uma história irresistível de amor e segundas oportunidades."
People

"Um romance bonito e devastador que irá conquistar muitos leitores."
Kirkus Reviews

"Uma história de amor comovente. Impossível deixar de ler!"
Irish Independent

"Esta história vai partir-lhe o coração, mas é maravilhosa."
US Weekly

"Uma história de amor épica."
Magazine

Sinopse:

Numa luminosa manhã de fim de Verão, Lucy e Gabe encontram-se na universidade, em Nova Iorque, e apaixonam-se. Parece o começo de uma história como muitas outras, mas estamos a 11 de setembro de 2001 e, enquanto a cidade está envolta em poeira e detritos, eles beijam-se e trocam promessas. Assumem que têm de encontrar um significado para as suas vidas, tirar proveito delas, deixar uma marca. Jovens e apaixonados, parecem ter o mundo a seus pés. Inesperadamente, os seus sonhos acabam por os separar. Gabe aceita trabalhar como repórter fotográfico no Médio Oriente e Lucy decide continuar a sua carreira em Nova Iorque.
Treze anos depois, Lucy está numa encruzilhada. Sente a necessidade de revisitar as épocas fundamentais do seu relacionamento com Gabe, marcado por escolhas que os conduziram por diferentes caminhos, ao longo de diferentes vidas. Escolhas que, no entanto, nunca romperam o vínculo profundo que os une. Então, é chegado o momento, naquele dia... Lucy mantém um último segredo, e é hora de o revelar a Gabe. Todas as suas opções os conduziram até ali. Agora, uma última decidirá o seu futuro.

Um romance comovente sobre o poder imperecível do primeiro amor com um final inesquecível.

Sobre a autora:

JILL SANTOPOLO também era aluna na Universidade de Columbia a 11 de setembro de 2001. Desde então, concluiu um mestrado em Ficção e construiu uma carreira de grande sucesso no mundo da literatura infantil e juvenil. Além de trabalhar no mundo da edição, é professora-adjunta do programa de escrita criativa na The New School em Nova Iorque. Uma das suas paixões é viajar pelos Estados Unidos, Canadá e Europa para falar sobre escrita e narração de histórias.

O seu romance de estreia para adultos, O Que Fica Somos Nós, vendido para 35 línguas e considerado uma história de amor do século XXI, está a ser um grande sucesso de vendas e crítica em todos os países onde já foi publicado.

quarta-feira, 6 de junho de 2018

Palavras Sentidas


"Há uma responsabilidade injusta associada ao facto de sermos filhos únicos — crescemos a saber que não nos é permitido desiludir, nem sequer nos é permitido morrer."

Em Parte Incerta
Gillian Flynn

terça-feira, 5 de junho de 2018

Livro do Mês: Maio

Maio chegou ao fim e com ele o habitual balanço de leituras.

Aqui estão os livros que me acompanharam ao longo deste mês:


Foram 4 livros de temáticas bastante variadas. Não foi um dos melhores meses, ou seja, não foram leituras de arrebatar, mas retiro aspetos positivos de todas as leituras.

Vou destacar uma história dirigida ao público juvenil (mas igualmente capaz de cativar os leitores adultos) que nos traz uma aventura divertida e um crime bem inteligente.

LIVRO DO MÊS



domingo, 3 de junho de 2018

Postais pelo Mundo | Ucrânia (3)

Recebi recentemente o terceiro postal vindo da Ucrânia.
 
Trata-se de uma ilustração de nome Relaxing, da autoria de Andrea De Santis. Está muito giro!
Caso tenham ficado com curiosidade de ver outros trabalhas desta designer, visitem o seu site: http://www.adesantis.it/.



sábado, 2 de junho de 2018

Aquisições: Maio

Mais um mês que chegou ao fim e que trouxe com ele aquisições literárias muito boas.
Vamos espreitar?

- No início do mês, comprei o Cress em segunda mão, como novo, a um preço bem simpático. Há bastante tempo que esperava uma oportunidade de adquirir este livro a baixo preço, e finalmente tive sorte.
- Comprei ainda o Sorrisos Quebrados nos Momentos WOOK, também com um bom desconto, e estou ansiosa por lê-lo. Acho importante apoiarmos os autores nacionais e, além disso, a capa do livro é maravilhosa!

COMPRA


- Recebi uma oferta muito interessante da Suma de Letras. Obrigada!
Foi a minha última leitura deste mês e em breve partilharei convosco a minha opinião.

OFERTA EDITORA


Poucas aquisições, mas das boas!
Que livros vos trouxe o vosso mês de maio?

quinta-feira, 31 de maio de 2018

"A Luz" de Stephen King [Opinião]


Estreei-me no género de terror/horror com o livro O Exorcista, de William Peter Blatty. Sempre foi um género literário ao qual não me dediquei tanto.
Há algumas semanas, senti necessidade de pesquisar livros de terror e foi nesse momento que fui à minha estante buscar A Luz, de Stephen King. Confesso que o livro se encontrava lá há vários anos, esquecido, e chegara o momento de o ler.

Este livro encontra-se em muitas listas dos melhores livros de terror e foi considerado pela crítica como o melhor romance de terror do século XX. Stephen King é apelidado de rei do romance psicológico de terror.
Por estas razões, as minhas expectativas eram elevadas e eu esperava realmente encontrar aqui um livro aterrorizador, capaz de me tirar o sono.

Infelizmente não foi isso que aconteceu. Logo desde o início, notei que o livro era denso, demorado de ler. Apesar dos meus esforços, não conseguia ler mais de vinte páginas por noite antes de ser vencida pelo cansaço. Apenas no final a história ganhou alguma energia e consegui avançar na leitura. Mesmo assim, o livro permaneceu duas semanas na minha mesa de cabeceira.

A história fala-nos da família Torrance - Jack, a esposa Wendy e o filho Danny - que vão morar para o Hotel Overlook, enquanto Jack aceita um trabalho como zelador de inverno. Ali, rodeados pela neve, os três rapidamente se apercebem de que não estão sozinhos no Overlook.

O início do livro explora o hotel e dá ao leitor informações acerca do passado das personagens, informações importantes para o decorrer da história.
Jack é um homem amargurado pela vida e pela forma como lidou com certos acontecimentos menos bons.
Danny é uma criança especial. Tem a luz, uma espécie de capacidade percetiva que lhe permite ver acontecimentos do passado e do futuro, ler pensamentos e saber coisas.

O hotel Overlook acaba por ser uma espécie de casa asombrada. As entidades que nele habitam querem apanhar Danny mas é Jack quem entra num estado de paranóia.

Gostava que certos pormenores tivessem sido mais desenvolvidos, como as habilidades de Danny e o quarto 217. A narrativa acabou por se centrar exageradamente em Jack.

Não houve assim momentos de terror que me tivessem tirado o sono, embora tenha encontrado bastantes cenas empolgantes. Infelizmente, o livro não despertou em mim todos esses sentimentos aterrorizadores que eu esperava encontrar.
Talvez o terror não funcione da mesma forma com todos os leitores.

Gostei imenso do final, que é bastante violento mas, terminada a leitura e decorridos alguns dias, o que sinto é uma certa indiferença em relação a esta história que não correspondeu às minhas expectativas.

Vou continuar a explorar as obras de Stephen King; certamente que encontrarei um livro que me cative.

Há algum livro de terror/horror que me recomendem?

Classificação: 3/5 estrelas

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Palavras Sentidas


"Na linha contínua do tempo que nos é atribuído, voltar atrás é uma quimera dos que não são capazes de viver sob a luz crua do dia."

Limões na Madrugada
Carla M. Soares