quarta-feira, 17 de julho de 2019

Palavras Sentidas


"O medo é uma coisa boa. Mantém-nos alerta, prudentes. Mantém-nos seguros."

O Carrasco
Daniel Cole

sábado, 13 de julho de 2019

"Cell - A Chamada da Morte" de Stephen King [Opinião]


Este está a ser o ano em que estou a apostar em mais obras de Stephen King, sendo já a terceira que leio do autor.

Imaginem que, de repente, um vírus se propagava por todos os utilizadores de telemóveis, deixando as pessoas violentas e com comportamentos semelhantes aos de zombies. Na verdade, se isso acontecesse, estávamos todos tramados pois quem é que não tem um telemóvel nos dias de hoje?

É esta ideia que Stephen King explora em mais um dos seus romances. Transportou-nos para um mundo pos-apocalíptico onde uma estranha epidemia ataca as pessoas como se fosse um vírus a atacar o software de um computador.

Um conjunto de sobreviventes veem-se assim desesperados, no meio de uma civilização que, de um momento para o outro, ficou caótica.

Esta é também a história de Clay, um artista do Maine que, quando tudo começou, se encontrava em Boston. Acabara de assinar um contrato para um livro de banda desenhada que lhe permitiria finalmente sustentar a sua família fazendo arte.


Quando as pessoas começararam a ficar loucas, tudo aquilo em que ele pensava era em encontrar o seu filho. Assim, esta é uma história sobre um pai e a sua busca pelo seu filho num mundo rodeado pelo caos e pela carnificina.

Confesso que esperava que este livro fosse mais violento. A sinopse caracteriza-o como «avassalador, sangrento e fascinante» mas, na verdade, acabei por não ficar assim tão impressionada com a violência nem senti um fascínio fora do normal.

É um livro bom, mas não é excelente. Creio que tem um início muito interessante mas que depois acaba por esmorecer um pouco até ao final que também me soube a pouco.

Li metade do livro em apenas uma tarde, mas depois demorei mais de uma semana a terminar o restante, portanto algo neste livro falhou e não me cativou o suficiente.

Não deixo de recomendar a sua leitura, embora não seja, na minha opinião, dos melhores livros do autor. Até agora, ainda nenhum chegou aos calcanhares de Misery, porém sei que ainda tenho imensas obras por explorar.

Classificação: 3/5 estrelas

quarta-feira, 10 de julho de 2019

Palavras Sentidas


"Não é com os problemas que as pessoas ficam chateadas tanto tempo. É com o facto de ninguém ter coragem de dar o primeiro passo e falar dos problemas."

A Ilusão de Merit
Colleen Hoover

sexta-feira, 5 de julho de 2019

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Livro Recebido]


Esta semana, chegou cá a casa mais um livro da Silvana, no âmbito do nosso projeto conjunto.

Desta vez, a Silvana propôs-me um desafio invertido. Deu-me uma lista de 20 livros, da qual eu escolheria aquele que queria receber. Em seguida, dir-lhe-ia quatro pistas que a pudessem ajudar a descobrir o livro que eu escolhera.

Registei num papel o nome do livro que eu escolhi:


E cá estão as pistas e respetiva justificação:

  • mulher (livro escrito por uma mulher)
  • três (número de aviões que constam na capa)
  • segredo (algo que envolve a personagem principal)
  • frio (a capa tem um casal vestido com roupa quente, o que me invoca o tempo frio)

Será que a Silvana interpretou corretamente as pistas e encontrou o livro que eu escolhi?

Aqui está o livro que recebi:


Como se pode ver, a Silvana não acertou, mas tenho de concordar que as pistas também se adequavam perfeitamente a este livro.
De qualquer forma, gostei imenso de receber este livro e acredito que será uma ótima leitura. Há já bastante tempo que não leio nada da Dorothy Koomson e será muito bom reencontrar a autora.

Obrigada Silvana!
Visitem o blogue dela para verem de que forma ela interpretou as minhas pistas.

quinta-feira, 4 de julho de 2019

"O Carrasco" de Daniel Cole [Opinião]


No ano passado, a Suma de Letras deu-nos a conhecer Boneca de Trapos, o primeiro thriller do autor inglês Daniel Cole. Agora, chegou a Portugal a sua continuação: O Carrasco.
Deixo o meu agradecimento à Suma de Letras (Penguin Random House Grupo Editorial) pela generosa oferta deste exemplar para leitura e partilha de opinião.

Antes de prosseguir com a minha opinião, deixo-vos um conselho: leiam a série por ordem. Embora os livros se possam ler independentemente, O Carrasco tem imensas referências ao Boneca de Trapos, incluindo um encontro com o assassino. Serão capazes de melhor usufruir desta leitura se conhecerem o livro anterior.

O Carrasco tem como protagonista a inspetora Emily Baxter, ainda não totalmente recuperada dos assassínios da Boneca de Trapos, apesar de já se terem passado 18 meses.
Desta vez, vai ser convocada para uma reunião com dois agentes americanos - Elliot Curtis, do FBI, e Damien Rouche, da CIA, e acabará por ser obrigada a participar numa investigação a homicídios que estão a ser cometidos em Nova Iorque e Londres.

Daniel Cole não teve medo de nos surpreender com homicídios extremamente cruéis e imaginativos. Alguns capítulos deixaram-me boquiaberta e houve uma cena, em especial, tão bem descrita que quase me deixou doente. Neste aspeto, posso mesmo afirmar que o autor se superou!


Em relação às personagens, adoro a inspetora Baxter. Já a conhecia do anterior romance, mas agora tive oportunidade de a conhecer melhor. Ela é rude, resmungona, sarcástica e com pouca paciência para respeitar a autoridade. Confesso que, por diversas vezes, dei por mim a rir à gargalhada da forma como ela tratava as outras pessoas. Contudo, por detrás deste mau feitio, esconde-se uma pessoa preocupada com aqueles que ama e também a tentar lidar com as suas fragilidades. Não consegue facilmente confiar nos outros e isso acaba igualmente por trazer novos constrangimentos.

Outra personagem de que gosto muito é o Edmunds, que já me tinha surpreendido no livro anterior. A participação dele deixou-me deveras empolgada, assim como o rumo que ele decidiu dar à sua vida.

Em comparação com o Boneca de Trapos, creio que este segundo romance está ainda melhor. Senti-me agarrada logo nos primeiros capítulos, li metade do livro em apenas uma tarde e o autor conseguiu surpreender-me a cada página. O final é intenso, embora tenha sentido falta de algumas explicações um pouco mais detalhadas.

Estou igualmente ansiosa que o terceiro volume chegue a Portugal, uma vez que acabei de ler a sinopse e já me sinto a salivar!
No geral, recomendo vivamente este thriller intenso de leitura viciante e onde a ação impera da primeira à última página.

Classificação: 4/5 estrelas

Nota: Este livro foi-me cedido pela editora em troca de uma opinião honesta.

quarta-feira, 3 de julho de 2019

Palavras Sentidas


"Esse é o problema quando perdemos alguém; temos a tendência para nos lembrarmos de todas as observações descuidadas, mesmo aquelas feitas na brincadeira."

Traz-me de Volta
B. A. Paris

terça-feira, 2 de julho de 2019

Aquisições: Junho

O primeiro semestre do ano terminou e chegou o momento, com tem sido habitual, de analisar o balanço das minhas aquisições literárias do mês de junho.
Vamos ver o que chegou cá a casa?

- Comecei o mês a receber mais um livro do Stephen King, emprestado pela melhor amiga. Está a ser a minha do momento.
Mais tarde, recebi um livro de um autor português para incluir nas minhas próximas leituras.

EMPRÉSTIMO


- No mês do meu aniversário, achei que tinha todo o direito de me oferecer algumas prendinhas.
Andava há imenso tempo à procura deste livro do Harlan Coben; consegui-o no OLX por um preço bem acessível.
Depois adquiri mais um livro do Chris Carter na WOOK, para aproveitar o vale de 100% que tinha para descontar. Ficou com um preço excelente!
Por fim, num momento de sorte, encontrei no OLX um livro da Tess Gerritsen que me faltava e que tem sido muito difícil de encontrar.

COMPRA


- Recebi ainda duas maravilhosas prendas de aniversário. O primeiro livro foi ofertado pela minha melhor amiga. Nunca li nada destes autores e já é o terceiro livro que vem morar para a minha estante. Tenho mesmo de me dedicar a eles em breve!
O livro da direita foi uma surpresa muito boa da Silvana, que acompanhou com um postal muito querido e uns marcadores magnéticos.

PRENDA


- Por fim, recebi ainda uma oferta da Suma de Letras (Penguin Random House Grupo Editorial), a quem agradeço desde já. Foi uma surpresa muito boa! Já está lido e a opinião será publicada nos próximos dias. Posso adiantar que foi uma leitura extremamente viciante!

OFERTA EDITORA


Foi mesmo um mês fantástico a nível de aquisições!
E quando a vocês, como correu o vosso mês?

sexta-feira, 28 de junho de 2019

"A Última Vez que a Viram" de Harlan Coben [Opinião]


A Última Vez que a Viram foi um dos primeiros livros escritos por Harlan Coben, tendo passado já vinte e quatro anos desde a sua publicação original.

É o livro que dá início à série cujo protagonista é Myron Bolitar, um ex-desportista e atualmente agente desportivo.
Já tinha lido o quarto livro da série, Tacada Mortal, cuja história decorria no mundo do golfe. Este thriller, por sua vez, tem como cenário de fundo o futebol americano.

Myron encontra-se a representar o jovem Christian Steele, o seu mais valioso atleta. Contudo, este é surpreendido quando surgem pistas de que a sua namorada, desaparecida há mais de um ano e presumivelmente morta, pode afinal estar viva.

É desta forma que Myron se envolve numa investigação em busca da verdade, de tentar perceber o que aconteceu verdadeiramente a esta família.


Neste livro, já se nota perfeitamente o estilo que o autor viria a adotar nos seus futuros trabalhos, os diálogos rápidos, a ação constante e o suspense no final dos capítulos, atraindo-nos para continuar a ler. Os livros do autor tornam-se facilmente em page-turners, de tão dinâmicos que são.

Myron Bolitar é uma das personagens mais peculiares que já encontrei nos livros do autor. É divertido, mas de um modo parvo, e há sempre situações mais caricatas a envolvê-lo.

Confesso que este livro me custou um pouco a arrancar no início, talvez porque não gosto especialmente do mundo desportivo mas, assim que me embrenhei no mistério, a leitura avançou com mais rapidez.

Embora não seja um dos melhores livros do autor, é um livro bom para quando queremos adrenalina e mistério, sem nos depararmos com demasiado sangue à mistura, como é típico dos policiais. Não deixem de experimentar os livros deste autor!

Classificação: 3/5 estrelas

quarta-feira, 26 de junho de 2019

Palavras Sentidas


«Para mim, a ideia de um pseudónimo tinha este chamariz engraçado. De certa forma, transmitia a sensação de liberdade, como um alçapão secreto para onde pudesse escapar...» (...)
— Pensar em escrever sob um pseudónimo era como pensar em ser invisível.

A Metade Sombria
Stephen King

terça-feira, 25 de junho de 2019

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Os motivos]


Já seguiu para casa da Silvana um novo livro para dar continuidade ao nosso projeto conjunto.

Aqui está o livro escolhido:


Motivos da minha escolha:

Este foi um livro que escolhi sem qualquer medo. Como já passou algum tempo desde que a Silvana leu o volume anterior da série, achei que estava na altura de lhe enviar um novo. Li-o há pouco tempo e achei-o soberbo, portanto tenho a certeza de que a Silvana também vai gostar imenso.

Que seja uma boa leitura, Silvana!

segunda-feira, 24 de junho de 2019

Prémios Adamastor do Fantástico 2019


Os Prémios Adamastor do Fantástico são organizados pelo Colectivo Trëma e têm como objetivo destacar anualmente a produção nacional no género Fantástico, em vários formatos.

O processo de nomeação é aberto a todos os interessados, e a votação final e atribuição dos Prémios será feita durante o evento Fórum Fantástico, que este ano se realiza entre os dias 11 e 13 de outubro.

Estão em concurso 5 categorias:

– Grande Prémio Adamastor de Literatura Fantástica Portuguesa;

– Prémio Adamastor de Literatura Fantástica Estrangeira;

– Prémio Adamastor de Ficção Fantástica em Conto;

– Prémio Adamastor de Ficção Fantástica em Banda Desenhada;

– Distinção Personalidade Fantástica.

Venho pedir a vossa colaboração. Se leram e gostaram do conto que publiquei na antologia O Resto é Paisagem, ajudem-me com o vosso voto. Será uma forma de destacar o meu trabalho, tal como a antologia e a Editorial Divergência.

Preencham aqui o formulário.

Podem indicar outras obras que considerem que mereçam destaque, mas não se esqueçam de nomear o meu conto na categoria de Ficção Fantástica em Conto.


Muito obrigada a todos!
A vossa ajuda será muito importante!

sexta-feira, 21 de junho de 2019

"Pecados Santos" de Nuno Nepomuceno [Opinião]


Pecados Santos foi o livro que escolhi para junho, para o meu desafio de ler pelo menos um autor português por mês.

Tal como já referi numa opinião anterior, admiro imenso o trabalho e a persistência do Nuno e procuro sempre ler as entrevistas e textos onde ele explica como é o seu processo criativo, o qual se inicia com uma grande pesquisa e, sempre que possível, a visita aos locais onde a narrativa vai decorrer.

Pecados Santos é o seu quinto romance e apresenta-nos duas histórias, duas linhas narrativas: a primeira, no presente, quando ocorrem uma série de homicídios, todos eles recriando episódios bíblicos; a segunda, no passado, envolvendo um episódio da vida de Afonso Catalão.

Neste livro vamos reencontrar Afonso Catalão e Diana Santos Silva, personagens já nossas conhecidas do anterior romance, A Célula Adormecida.
Para quem decidiu estrear-se com este livro, não se preocupem por não conhecerem as personagens, uma vez que os livros podem ser lidos independentemente.

Afonso é um homem cuja vida está repleta de mistérios. Em Pecados Santos, recuamos treze anos para o acompanhar quando ele deu aulas em Cambridge e conheceu os gémeos Hannah e Jonathan. Esta linha narrativa agradou-me talvez um pouco mais do que a que decorreu no presente e mantive-me sempre curiosa por descobrir o que teria acontecido com os gémeos.

Este livro mostra-se igualmente cativante na medida em que o autor explorou a temática dos homicídios, não se coibindo de os descrever com bastantes detalhes, e apostando na sua interpretação através da ajuda de uma psicóloga criminal.

(Tomei a liberdade de incluir na fotografia um pequeno galho e uma flor de romãzeira, uma vez que a romã tem um significado especial no livro.)

A juntar a tudo isto, ao longo do livro vamo-nos apercebendo da extensa pesquisa feita pelo autor e de como ele domina os assuntos de que está a falar, nomeadamente as religiões. Enquanto, em A Célula Adormecida, nos falou do Islamismo, desta vez centra-se no Judaísmo e em vários aspetos relacionados com o surgimento desta religião. É um livro que não só entretém como também ensina, sem se tornar monótono.

O livro está estruturado em capítulos pequenos, que são dos meus preferidos e que mais facilmente impelem o leitor a ler mais e mais. Contudo, não senti que o livro me desse aquela vontade de ler compulsivamente e este é um dos aspetos que eu mais procuro num thriller. Quando pego num livro deste género, gosto de receber uma injeção de adrenalina, e este livro não me proporcionou isso. Precisava de um pouco mais de suspense, mas não significa que não seja muito bom de ler.

Gostaria, antes de terminar, de salientar dois aspetos que eu creio que mereciam mais atenção.
O primeiro é sobre a relação de Afonso e Diana. Quem leu o livro anterior, conhece as circunstâncias em que eles se conheceram. O final do livro não me deixou nenhuma pista de que eles estariam a apaixonar-se, pelo que foi uma surpresa encontrá-los juntos neste novo romance. Sei que o propósito do livro não era criar uma história de amor, mas não senti química entre ambos. Senti que estavam juntos por serem duas almas um pouco solitárias. Mesmo sendo um thriller, gostava de ter visto mais da faísca própria dos relacionamentos recentes.

O segundo aspeto prende-se por uma questão de revisão. Embora esta esteja bem feita, por diversas vezes apercebi-me do emprego exagerado da expressão "corpo seco" ou "físico seco" para caracterizar mais do que uma personagem. Provavelmente este aspeto passará despercebido à maior parte dos leitores, contudo, eu costumo fazer revisão de texto e talvez por isso tenha o olho mais apurado. Incomodou-me um pouco estar sempre a ler a mesma descrição quando, algumas delas, poderiam ser substituídas por adjetivos de significado similar.

Por fim, posso ainda referir que o final me surpreendeu mesmo muito. Eu não tinha nenhuma teoria acerca de quem seria o assassino e acabei por ficar boquiaberta com a revelação. É um final poderoso e difícil de esquecer!

Para concluir, deixo a minha recomendação caso procurem um thriller intenso e que aborda a temática da religião. Apostem nos autores portugueses e venham conhecer o trabalho de Nuno Nepomuceno!

Classificação: 4/5 estrelas

quinta-feira, 20 de junho de 2019

"O Carrasco" de Daniel Cole [Divulgação]

Título Original: Hangman
Autor: Daniel Cole
Edição: 2019
Editora: Suma de Letras
Páginas: 392
PVP: 17,91€

UM THRILLER VERTIGINOSO ONDE O ASSASSINATO É UMA OBRA DE ARTE

«Cole não hesita em superar todos os limites, tanto nos assassinatos como nos diálogos. Os leitores que esperavam tremer de medo, mais ainda do que com Boneca de Trapos, ficaram satisfeitos.»
Publishers Weekly

«Aterrador, perturbador e diabolicamente excelente.»
Amazon

«Muito emocionante, como um bom filme!»
Lovely Books

«Daniel Cole traz-nos a sequela de Boneca de Trapos… e é uma aventura de adrenalina garantida.»
Goodreads

«Uma complexa teia de mentiras e manipulações que fará o leitor reflectir sobre como são criados os vilões. E, claro, muitas reviravoltas de que todos poderão desfrutar.»
The Mistery Blog

Sinopse:

A inspectora-chefe Emily Baxter é convocada para uma reunião com dois agentes americanos a agente especial Elliot Curtis, do FBI, e o agente especial Damien Rouche, da CIA que lhe mostram fotografias do mais recente homicídio: um cadáver contorcido numa posição familiar, pendurado na ponte de Brooklyn, com a palavra "ISCO" esculpida no peito.

Mediante a pressão dos meios de comunicação social, Baxter recebe ordens para ajudar na investigação e acaba por ter de visitar outro local de crime, descobrindo a mesma palavra esculpida no peito da vítima e, no peito do assassino, também morto, a palavra "FANTOCHE".

À medida que, nos dois lados do Atlântico, a espectacularidade e crueza dos homicídios aumenta, a equipa tenta desesperadamente apanhar os culpados. A única esperança é descobrir a quem se destina o "ISCO" e como são escolhidos os "FANTOCHES", mas, acima de tudo, quem está a puxar as cordas. 

Sobre o autor:

Aos 33 anos, DANIEL COLE já trabalhou como paramédico, foi oficial da Real Sociedade Protetora dos Animais e membro da Guarda Costeira Real, sempre imbuído do desejo de salvar pessoas — ou talvez movido pela culpa de ter matado tantas personagens nos seus textos.
Boneca de Trapos, o seu primeiro romance, escrito originalmente como piloto para uma série de TV, é um bestseller internacional e logo nos primeiros dias após o lançamento no Reino Unido, Itália, Alemanha, França e Holanda alcançou as principais listas de mais vendidos. Será publicado em 32 países e foi também finalista do prémio CWA John Creasy Award para primeiro romance, o prémio britânico mais prestigiado para thrillers.

quarta-feira, 19 de junho de 2019

Palavras Sentidas


"— Às vezes, a única coisa verdadeira na vida de uma pessoa é o seu corpo, por isso, faço o que posso por ele."

Perfume da Paixão
Jude Deveraux

terça-feira, 18 de junho de 2019

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Desafio]


Hoje venho responder ao desafio referente ao livro Perfume da Paixão, cuja leitura terminei há alguns dias.

DESAFIO:

O iceberg

Quando olhamos para um livro, inevitavelmente, criamos ideias em relação a ele. Seja pela observação da capa, pela leitura da sinopse ou pelo nome do escritor… há sempre algo que formamos em relação aos livros.
Após a leitura há todo um mundo novo de ideias e pensamentos.
Tal como o iceberg, o livro tem uma parte visível e uma outra parte invisível (que só ficamos a conhecer depois de o ler). Assim, os livros são muito mais do que os aspetos que vimos à primeira vista.
Neste desafio tens de nos mostrar o que para ti foi visível, identificando as ideias que formaste antes de ler o livro; e a parte submersa, aquilo que descobriste depois da leitura. 


A MINHA RESPOSTA:

Quando tive este livro nas mãos, o aspeto visível que logo me saltou à vista através da análise da sinopse foi que o livro me iria oferecer romance e algum mistério. Sabia que seria também uma leitura capaz de me distrair e relaxar, com uma linguagem simples que não exigiria muito de mim.

Ao longo da leitura, fui descobrindo diversas coisas. A escrita era realmente simples e diverti-me com algumas passagens caricatas. O que me custou mais, tal como referi na opinião, foi encontrar uma escrita tão simples após ter terminado um livro bem mais trabalhado a nível da escrita.
Encontrei o romance que esperava mas acabei por achá-lo um pouquinho previsível, apesar de ter apreciado a interação entre os dois protagonistas.
O mistério que o livro prometia também marcou presença; o que me desagradou foi a forma como ele foi concluído: diferente da forma como as personagens tinham planeado e acabou por ser tudo um bocado fácil.
Mesmo não tendo sido um livro que me tenha cativado tanto como eu esperava, não me fez perder a vontade de conhecer novos livros da autora.

Obrigada pelo desafio, Silvana. Que venha o próximo livro!