quarta-feira, 24 de agosto de 2016

"A Maldição do Vencedor" de Marie Rutkoski [Opinião]


Começo por deixar os meus agradecimentos à Topseller (chancela da 20|20 Editora) por me ter cedido um exemplar deste livro, permitindo-me dessa forma conhecer uma nova autora dentro de um género literário que aprecio bastante.

A capa deste livro chama de imediato à atenção; não só é deslumbrante como também apresenta uma textura muito suave, assemelhando-se a cetim.

A Maldição do Vencedor apresenta-nos uma história de fantasia, onde encontramos um mundo com dois povos inimigos: os Valorianos e os Herrani. O povo de Herran foi conquistado pelo Valorianos há dez anos e, desde aí, os Herrani tornaram-se escravos dos Valorianos.

Este livro, que marca o início de uma trilogia, começa quando Kestrel, a filha rebelde do poderoso general de Valoria, vai parar a um leilão de escravos, onde se depara com um jovem, Arin, que parece querer desafiar o mundo inteiro sozinho. Intrigada e fascinada, Kestrel acaba por comprá-lo a um preço tão alto, que se torna alvo de mexericos na sociedade.
Contudo, Arin tem um segredo, e rapidamente Kestrel vai perceber que o preço que pagou poderá custar-lhe tudo aquilo que ama.

A autora conquista-nos desde o início com uma escrita organizada, concisa e fluida, apresentando o mundo que criou e as diferentes personagens. A narrativa é cativante e vai prendendo o leitor à medida que avança nos capítulos.

Encontramos dois mundos muito diferentes, que se desprezam e que, inevitavelmente, entram em confronto. Esta é uma história sobre vencedores e vencidos, sobre guerra e paz, amor e traição, onde se torna difícil escolher vítimas e vilões, dado que os papéis são invertidos de um momento para o outro.

A história encontra-se recheada de intrigas, jogos de poder, segredos e traições. Apesar de Kestrel e Arin serem jovens, as suas personalidades são já bastante maduras e ambos são capazes do melhor e do pior.

Esta é uma história com traços de crueldade e uma complexidade que me deixou intrigada e desejosa de conhecer mais. Esperava um final mais intenso mas, de qualquer forma, fiquei suficientemente cativada para querer ler os próximos volumes da trilogia. Espero não ter de esperar muito até serem publicados em Portugal.

Classificação: 3/5 estrelas

Nota: Este livro foi-me cedido pela editora em troca de uma opinião honesta.

Palavras Sentidas


"A Robin perguntou o que era uma recordação. A mãe respondeu que era um objeto que estimamos muito. Depois disse que os objetos não eram verdadeiramente importantes desde que nos tivéssemos uns aos outros."

Crenshaw, O Grande Gato Imaginário
Katherine Applegate

domingo, 21 de agosto de 2016

Postais pelo Mundo | Rússia (8)

Hoje mostro-vos o oitavo postal que recebi vindo da Rússia.

O Museu Nacional do Hermitage é um museu localizado em São Petersburgo e é um dos maiores museus de arte do mundo. É constituído por seis edifícios, sendo o principal o Palácio de Inverno, que serviu de residência oficial dos Czares até à queda da monarquia russa.
Uma das mais bonitas salas do Palácio de Inverno é a Sala Malachite (The Malachite Drawing-Room), representada neste postal.

Adorei; acho o postal lindíssimo!


sábado, 20 de agosto de 2016

"Para Sir Phillip, Com Amor" de Julia Quinn [Opinião]


Há dois anos que não lia nada de Julia Quinn e fiquei toda contente quando me emprestaram este livro, que é o 5º da série dedicada à família Bridgerton.

Neste romance, temos como protagonistas Eloise Bridgerton e Phillip Crane. Conheceram-se quando se começaram a corresponder, após a morte da mulher de Phillip. Após alguns meses de correspondência, Phillip convida Eloise a visitá-lo, de forma a poderem conhecer-se e ver se as suas personalidades combinam num futuro casamento.

É assim que se inicia esta história, com uma espécie de blind date do século XIX. Eloise aparece em casa de Phillip sem avisar, o que desde logo provoca gargalhadas no leitor. Phillip mostra-se um homem reservado e um pouco bruto, sem maneiras, uma vez que não a esperava tão repentinamente.

Gostei do espírito aventureiro de Eloise, embora tenha gostado mais da evolução de Phillip, que guarda ainda alguns fantasmas do passado que acabam por condicionar a sua vida presente. Phillip não consegue lidar com os filhos, cada vez mais indisciplinados, e Eloise torna-se uma grande ajuda, ao fazê-lo compreender que as crianças apenas precisam de mais atenção e acompanhamento.

Ao contrário do que acontece noutros romances anteriores da série, em que encontramos protagonistas masculinos que fogem ao compromisso, aqui temos uma situação diferente: um homem que procura, com alguma urgência, uma mulher para ser sua esposa e mãe dos seus filhos.

Para mim, o livro não foi tão bom como os primeiros livros da série, talvez porque não me senti tão conectada a este casal. Eles tiveram alguns momentos ternurentos, é verdade, mas não senti ali a mesma magia que encontrei nos livros anteriores.

Obviamente, este romance continua a ter aspetos positivos: a escrita dinâmica da autora, as situações caricatas, o aparecimentos de outros elementos da família Bridgerton, entre outros aspetos que tornam a leitura muito agradável. No geral, é uma história que vale a pena conhecer e que permite uma leitura divertida e relaxante.

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Livro Recebido]


Esta semana recebi mais um livro surpresa da Silvana. Depois de um dia cansativo, soube mesmo bem abrir o envelope e descobrir que livro ela me tinha escolhido!

E aqui está ele:


Foi uma surpresa mesmo boa! É o segundo volume da série Edilean, da Jude Deveraux, e confesso que já tinha saudades de voltar a ler esta autora. Espero gostar tanto ou mais do que o livro anterior.

Muito obrigada Silvana!
Se quiserem, visitem o blog dela para conhecerem as razões de me ter enviado este livro.

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Palavras Sentidas


"Aquele breve momento em que senti a pele dele na ponta dos dedos aqueceu-me por dentro. Não me tinha dado conta do frio que sentia dentro de mim durante todos estes anos até tocar numa pessoa normal."

O Outro Amor da Vida Dele
Dorothy Koomson

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Apresentação de Editora | Virar a Página

Hoje venho dar-vos a conhecer uma nova editora, intitulada:

Virar a Página


Esta editora pretende lançar autores portugueses, procurando conhecê-los e valorizá-los e colocá-los em sintonia com os seus leitores, o que possibilitará uma mudança no paradigma da publicação em Portugal.

O autor é a essência do trabalho da editora Virar a Página, sendo considerado um elemento fundamental em todo o processo de publicação. Por sua vez, o leitor será encorajado a envolver-se e a interagir com o autor... (Isto promete, não vos parece?)


Se ficaram curiosos e querem saber mais sobre esta editora, não deixem de visitar e acompanhar a página de facebook ou de contactá-los por e-mail.

Facebook Virar a Página | E-mail: manuscritos@virarapagina.com

Se, por outro lado, têm um manuscrito na gaveta que gostariam de ver publicado, aproveitem a oportunidade e apresentem-no à editora.

A Virar a Página Editora está ansiosa por vos conhecer!

Nota: as imagens utilizadas nesta publicação são da autoria da editora.

domingo, 14 de agosto de 2016

Postais pelo Mundo | Holanda (4) e Singapura (1)

Hoje tenho para vos mostrar uma dupla de postais  oficiais que chegaram durante o mês de julho.

O primeiro vem da Holanda e apresenta uma bela paisagem à beira-mar. Scheveningen pertence à cidade de Haia e é um resort de verão com uma longa praia de areia, uma esplanada, um píer e um farol.


O segundo postal viajou de Singapura e é o primeiro que recebo deste país. A imagem está um pouco escurecida e não faz justiça ao postal, que é lindíssimo
Este postal apresenta a mais recente atração turística de Singapura: os Jardins da Baía. Este complexo inclui três jardins frente à costa e foram construídos com o objetivo de aumentar a qualidade de vida, através da introdução de mais espaços verdes na cidade.
Os jardins apresentam uma grande diversidade de flora e fauna de todo o mundo.


sexta-feira, 12 de agosto de 2016

"Um Estranho Caso de Culpa" de Harlan Coben [Opinião]


Harlan Coben é um dos meus autores de eleição no que diz respeito a thrillers, e este é já o sétimo livro que leio do autor.

Tinha este livro cá por casa, há mais de dois anos, e ainda estava por ler. Decidi pegar nele para levar comigo numa viagem longa de autocarro, pois sabia que rapidamente ficaria agarrada e conseguiria dar um avanço na leitura.

Esta história apresenta-nos Matt Hunter que, enquanto estudante universitário, mata acidentalmente outro jovem para defender um amigo. Após quatro anos na prisão, Matt é um homem feito e determinado a recuperar o tempo perdido. Aos poucos, consegue reconstruir a sua vida, trabalhando numa firma de advogados e acabando por casar com a encantadora Olive, que está grávida do primeiro filho de ambos.
Mas o destino prega-lhe uma nova partida quando um homem perigoso começa a segui-lo, uma freira aparece morta e Matt vê-se novamente suspeito de homicídios perpetrados à sua volta.

Este livro inicia-se com um prólogo escrito na segunda pessoa, o que considero que deu um toque bastante interessante à narrativa, de forma a que o leitor se pudesse colocar no lugar da personagem principal - Matt - e perceber o que o levou à prisão e como, mais tarde, refez a sua vida.

A história em si parte de um estranho vídeo de Olive que Matt recebe no seu telemóvel com câmara fotográfica, acabadinho de comprar. Acho sempre fantástico a forma como o autor inicia as histórias com algo absolutamente banal, como um vídeo ou uma fotografia (tal como acontece no livro Apenas um Olhar).

A vida de um ex-condenado não é fácil; Matt é olhado de lado e há sempre pessoas que estão à espera que ele tenha uma recaída, portanto não é de estranhar que os crimes comecem a ser associados a ele.

Harlan Coben presenteia-nos com mais um livro repleto de reviravoltas inesperadas e surpresas ao virar de cada página. O passado de algumas personagens volta a receber um papel importante, tal como já é comum nos thrillers do autor.

Um Estranho Caso de Culpa é uma leitura frenética, impossível de parar e que deixará o leitor sem respiração até à última página. Recomendo absolutamente!

Classificação: 4/5 estrelas

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Palavras Sentidas


"Para seres capaz de aceitar o amor de alguém, primeiro tens de te amar a ti mesma."

Um Amor na Cornualha
Liz Fenwick

"Cartas por um Sonho" de Ángeles Doñate [Divulgação]

Título: Cartas por um Sonho
Autor: Ángeles Doñate
Edição: 2016
Editora: Suma de Letras
Páginas: 374
PVP: 17,50€

Sinopse:

O Inverno chega a Porvenir e traz com ele uma má notícia: vão fechar a estação de correios e transferir os funcionários para a cidade. Quem necessita de um carteiro num mundo onde já não se escrevem cartas? A comunicação virtual também ganhou a batalha nas montanhas.

Sara, a única carteira da aldeia, mora em Porvenir com os seus três filhos pequenos. Partilha muitas horas com a sua vizinha Rosa, uma mulher de oitenta anos que estaria disposta a fazer qualquer coisa para evitar que Sara e os filhos sofram.

Mas o que é que uma mulher com uma idade tão avançada pode fazer para impedir que as vidas das pessoas que mais ama se vejam alteradas? Escrever uma carta, aquela que tem guardada no seu coração há sessenta anos...

E com este pequeno gesto começará uma corrente de cartas que vai mudar a vida não só de Sara mas de toda a aldeia. Porque a expectativa com que abrimos a caixa de correio é sempre grande e, como sabemos, tal como os beijos, uma carta leva a outra. E podem mudar o mundo.

Um livro comovente, encantador e cheio de ternura, onde, através da corrente de cartas, vão desfilando personagens do quotidiano, todas elas com os seus sonhos, a sua história, as suas frustrações.

Sobre a autora:

ÁNGELES DOÑATE nasceu em Barcelona e estudou Jornalismo.

A sua paixão pela palavra escrita e falada converteu-se em vocação e ofício. Trabalha como responsável de comunicação institucional em entidades sociais e educativas, para além de colaborar em jornais e revistas.

É autora de ensaios, de um livro de viagens e de alguns romances.

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Desafio]


Terminei recentemente mais um livro que a Silvana me enviou: Orgulho e Preconceito. A opinião já está publicada no blog e este é o desafio que ela criou para mim.

Como este desafio é uma espécie de Tag, vou respondendo à medida que surgem as questões. O desafio está a negrito e as minhas respostas ficarão com formatação normal.

DESAFIO E RESPOSTAS

Orgulho e preconceito em Emojis

Observa os seguintes emojis. Pensa na tua experiência de leitura deste livro.
Identifica uma personagem ou situação a quem atribuirias um deste emojis.

Este emoji mostra uma pessoa a bocejar, mas costuma ser confundido com o de uma pessoa a dormir.

A parte inicial do romance foi um pouco aborrecida para mim; estava a adaptar-me à escrita da autora e algumas partes eram mais densas, pelo que a leitura me custou um pouco. 

Ao contrário do que podes estar a pensar, isto não é uma lágrima. Este emoji mostra uma pessoa nervosa, que está a suar - provavelmente, por conta do stress. Ele é usado em situações de alívio também. Algo como, "no fim, depois de muito suor e lágrimas, tudo correu bem".

A este emoji atribuo o que aconteceu com Lydia, uma das irmãs de Elizabeth. Foi uma situação complicada e gostei da forma como se resolveu.

Chamado de “open hands sign”, este emoji mostra que a pessoa está aberta para conversas, ou a pedir um abraço.

Associo a este emoji a relação de cumplicidade entre Elizabeth e Jane. Afeiçoei-me bastante a estas duas irmãs por serem tão francas e conseguirem conversar sobre qualquer assunto.

Apesar de parecer ser um homem a refletir, este emoji, na verdade, representa uma reverência em sinal de respeito.

Talvez aqui possa colocar Mr. Darcy; apesar de também eu ter antipatizado com ele no início, as suas atitudes futuras revelaram o seu verdadeiro caráter.

Apesar de muitos utilizarem este emoji com o significado de força de vontade e determinação, o verdadeiro significado dele é a vontade de querer dar um soco em alguém.

Sem dúvida, o senhor Collins foi a personagem mais ridícula e insossa que encontrei neste romance. Ficava irritada sempre que ele abria a boca!



Estás muito feliz com alguma coisa e queres comemorar? Este é o emoji ideal para isso!!

O final do livro foi extremamente doce e deixou-me com um sorriso nos lábios e muita saudade.

Silvana, achei este desafio bastante original e, após alguma reflexão, foi fácil encontrar as respostas que me pareciam mais apropriadas. Que venha o próximo livro!!

domingo, 7 de agosto de 2016

"Orgulho e Preconceito" de Jane Austen [Opinião]


Este livro foi-me emprestado pela Silvana. Ela sabia que eu leio poucos clássicos, não por não gostar, mas porque sinto que são livros que exigem bastante do leitor e, além disso, tenho sempre tantos livros à minha volta à espera da sua vez, que acabo por não dar aos clássicos a atenção merecida.
Assim, a Silvana encontrou uma oportunidade de me encorajar a ler um livro de um género que habitualmente leio pouco.

Orgulho e Preconceito marcou a minha estreia com as obras intemporais de Jane Austen. Parti para esta leitura com muita curiosidade e devo dizer que, no início, demorei algum tempo a adaptar-me à escrita da autora. É um livro um bocadinho denso que exige a concentração do leitor, é preciso paciência e tempo para reler algumas frases e parágrafos, se necessário.
Tenho por hábito ler à noite, antes de me deitar, e apercebi-me de que, nos dias em que estava mais cansada, a leitura custava mais e não me dava prazer, portanto este livro (e possivelmente grande parte dos clássicos) precisa de ser lido de cabeça descansada, para melhor se usufruir da leitura.

Falando agora um pouco do livro, achei muito interessante a forma como a autora nos apresentou a época em que a história decorre, dando-nos a conhecer os costumes e o modo como as pessoas pensavam e se comportavam. Embora a narrativa seja um pouco densa, não contém demasiadas divagações nem descrições, apresentando um ritmo agradável de leitura.

As personagens são todas muito diferentes, bem construídas, com pormenores emocionais e psicológicos bastante ricos.
Mr. Collins é um homem religioso que não apresenta nenhuns traços característicos de pessoas pertencentes a esta classe social. É mesquinho e irritante, tece elogios aos outros quando lhe convém e é interesseiro no que toca às suas amizades. Para mim, revelou-se uma personagem insuportável.
Gostei imenso da relação de companheirismo entre as irmãs Elizabeth e Jane e acabei por me afeiçoar bastante a elas por serem francas e conseguirem conversar sobre qualquer assunto.
Mr Darcy é outra personagem que merece destaque. Não me cativou no início e cheguei mesmo a antipatizar com ele por ser tão preconceituoso. Contudo, a sua evolução foi grande, mostrando-nos que as pessoas podem mudar e que é possível reconhecermos e corrigirmos os nossos erros

Em conclusão, Orgulho e Preconceito não me arrebatou, mas cativou-me. Achei o final muito doce e confesso que a história deixou saudades. Por agora, fica a vontade de conhecer outras obras da autora.

Classificação: 4/5 estrelas

Postais pelo Mundo | Alemanha (11)

Hoje venho mostrar-vos um postal oficial da Alemanha que recebi recentemente.

É um postal multiview, como eu adoro, a apresenta diversas fotografias da cidade de Duisburg. É mais um postal para os meus favoritos!


quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Os motivos]


A Silvana já recebeu o mais recente livro que lhe enviei para a continuação do nosso projeto conjunto. Aqui está o livro que escolhi:


Motivos da minha escolha:

A razão principal de ter escolhido este livro deve-se, mais uma vez, ao aparecimento de uma ideia para um desafio adequado a este livro.
Além disso, quero que a Silvana tenha um primeiro contacto com uma autora de que gosto bastante e da qual já li vários livros.

Silvana, espero que gostes e que seja uma boa leitura!