quarta-feira, 11 de dezembro de 2019

Palavras Sentidas


"― Não me entendas mal ― disse ela. ― Eu também gosto de ler. Mas não digo a ninguém.
Até que enfim, pensei, uma pessoa que diz a verdade. Perguntei-lhe por que não dizia ela nada a ninguém.
― Não sei. As pessoas que leem, escondem-se. Escondem quem são. E as pessoas que se escondem nem sempre gostam daquilo que são."

Chama-me pelo Teu Nome
André Aciman

terça-feira, 10 de dezembro de 2019

"O Filho de Thor" de Juliet Marillier [Opinião]


Esta é a minha segunda experiência com as obras de Juliet Marillier depois de ter lido, há dois anos, Danças na Floresta.

Consigo encontrar diversas diferenças entre esse livro e este - O Filho de Thor - que dá início à Saga das Ilhas Brilhantes.

Logo desde o início dá para perceber que este é um romance mais duro, com uma aura mais sombria.
Segundo a nota da autora, ela explica que se inspirou nas Ilhas Órcades e no guerreiro do seu tempo, o berserk, um guerreiro nórdico feroz que prestava vassalagem ao deus Odin.
Neste romance, contudo, os guerreiros que a autora criou - os Pele-de-Lobo - prestam vassalagem a Thor, um deus de natureza mais honesta.

Este romance conta então a história de dois rapazes que se tornam irmãos de sangue devido a um juramento que fazem na infância. Eyvind deseja tornar-se um grande Pele-de-Lobo e servir Thor no campo de batalha. Somerled é um rapaz estranho, mas muito inteligente, que deseja vir a tornar-se rei. Juntos, vão viajar até às Ilhas Brilhantes, onde um acontecimento trágico mudará para sempre as suas vidas.

O Filho de Thor oferece-nos uma história incrível, recheada de tantos pormenores, que se torna mesmo necessário dedicar ao livro o tempo que ele merece. A escrita da autora é bastante descritiva, muitas vezes densa, daí que este não seja um daqueles livros de devorar numa tarde. Eu demorei um mês a lê-lo e, ao contrário de outros livros que ao fim de algum tempo começam a cansar, adorei descobrir cada pormenor desta história repleta de misticismo e magia.

Como referi acima, este livro apresenta uma aura sombria, que começa com os guerreiros viquingues e com a sua natureza violenta e sede de sangue. Porém, assim que as nossas personagens desembarcam nas Ilhas Brilhantes, há algo poderoso que nos agarra ainda mais a esta história. Há acontecimentos dramáticos e cruéis que nos deixam de coração nas mãos, mas existe também a esperança de que se faça justiça para as personagens.

Eyvind é uma personagem fascinante e adorei acompanhar o seu crescimento e desenvolvimento, desde o seu desejo de tornar-se um Pele-de-Lobo, a sua sede pelas batalhas, até ao momento em que descobre que uma vida tem afinal muito mais valor. Por sua vez, Somerled provocou-me sentimentos muito confusos, desde uma certa admiração ao ódio.
Nessa é igualmente uma personagem forte, querida e muito ligada à natureza.
Todas as personagens secundárias estão igualmente bem construídas e conseguem destacar-se de alguma forma.

Em suma, esta é uma história realmente boa e habilmente contada. Estou mesmo desejosa de ler o outro volume da saga - A Máscara da Raposa - e, desta forma, poder voltar a embrenhar-me neste mundo fantástico que a autora construiu.

Classificação: 4/5 estrelas

quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

Palavras Sentidas


"Consegue ver-se tudo nos olhos de uma pessoa: as qualidades, os defeitos, a dor, as verdades e as mentiras. E a outra pessoa consegue ver o mesmo em nós."

Conta-me o Teu Segredo
Dorothy Koomson

segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

"A Rapariga no Gelo" de Robert Bryndza [Opinião]


Este livro foi-me emprestado pela minha melhor amiga, que desde logo que me deixou bastante entusiasmada. Já tinha ouvido falar imenso deste autor nas redes sociais e creio que estão publicados em Portugal seis livros dele, tendo o sétimo saído muito recentemente.

Houve um grande hype em torno desta obra e eu também quis perceber o que tinha ela de tão especial. No entanto, devido a algumas más experiências, tenho tendência a ficar um pouco de pé atrás em relação a estes livros que recebem imensa publicidade.

Agora que terminei a leitura, tenho de dizer com sinceridade que não encontrei nada de especial, nada de verdadeiramente impactante neste romance policial que justifique todo o hype em torno dele.

A capa é realmente chamativa, o que é uma grande ajuda para despertar a curiosidade do leitor. Apenas não faz sentido num pequeno pormenor: vemos um olho fechado quando, ao longo da narrativa, é várias vezes referido que a personagem assassinada tem os olhos abertos, como se quisesse dizer alguma coisa.

O livro inicia-se com um homicídio logo no prólogo, que será o ponto de partida da investigação que iremos encontrar. Erika Foster é a inspetora escolhida para liderar a investigação. Enquanto lida com os seus próprios dramas pessoais, Erika vai precisar de muita determinação para enfrentar todas as dificuldades que lhe surgem.
A vítima é uma jovem rica da alta sociedade londrina, pelo que a investigação vai ser condicionada por esta família influente que faz tudo para que a inspetora não se intrometa demasiado na sua vida.

Ao longo da leitura, encontrei imensos clichés que me desconcertaram e me provocaram irritação. Quase todas as personagens femininas são caracterizadas como tendo "seios grandes", a personagem principal tem de lutar contra a discriminação por parte dos seus colegas masculinos e há momentos em que determinadas personagens e pistas aparecem no momento certo, tornando certas partes da narrativa um pouco forçadas.


Confesso que embirrei com pormenores que possivelmente passam despercebidos à maior parte dos leitores mas, como leitora ávida que sou, sinto que me tenho tornado mais crítica e exigente em relação ao que leio. Além disso, tenho feito alguns trabalhos de revisão de texto, o que me tem treinado a estar mais atenta aos pormenores.

Um aspeto que achei interessante foi o facto de o autor ter introduzido dois casais homossexuais na sua narrativa. Isto mostra uma grande abertura em abordar um tema que aparece pouco neste tipo de livros, contudo, ao mesmo tempo, a personagem principal farta-se de ser discriminada no trabalho só porque é mulher.

Apesar dos aspetos mais clichés, tenho de concordar que o livro tem velocidade, dinamismo e que serve perfeitamente para entreter durante uma tarde. Os capítulos pequeninos (que resultam muito bem neste género literário) tornam a leitura viciante. A escrita do autor é fresca, sem descrições demasiado maçudas, e por isso lê-se muito bem.

Tal como referi acima, a história não é impactante e não traz nada de novo que justifique ter-se tornado num fenómeno literário. Tenho esperanças de que o autor possa ter evoluído nos romances seguintes que escreveu, pelo que irei certamente dar-lhe uma nova oportunidade.

Classificação: 3/5 estrelas

sábado, 30 de novembro de 2019

Aquisições: Novembro

O mês de novembro foi muito calminho no que diz respeito a aquisições literárias.
Comprei apenas este livro que queria muito e que encontrei a bom preço no OLX. Estou com as expectativas bastante elevadas e conto lê-lo em breve.

COMPRA


E desse lado, fizeram muitas compras literárias este mês?

quinta-feira, 28 de novembro de 2019

Black Friday na WOOK

Quem vai aproveitar a loucura da Black Friday na WOOK?

É uma boa oportunidade para adquirir aquele livro que já está há algum tempo na vossa wish-list.

Cliquem na imagem e escolham os vossos livros.

Não se esqueçam de partilhar comigo as vossas compras, estou curiosa por saber o que vão comprar!

quarta-feira, 27 de novembro de 2019

Palavras Sentidas


"Um excelente livro pode nunca ser um sucesso de vendas. Um livro fraco, se tiver os ingredientes certos, pode manter-se no top de vendas meses a fio. Os bons livros nem sempre triunfam, e os maus, por vezes, tornam-se best-sellers. É a lei do mercado e ninguém disse que o mercado premeia os melhores."

Como Publicar o Seu Livro
Rita Canas Mendes

quarta-feira, 20 de novembro de 2019

Palavras Sentidas


"A verdadeira bravura consiste em caminhar na direcção do inimigo sem qualquer arma. Um verdadeiro herói usa apenas a armadura da sua coragem."

O Filho de Thor
Juliet Marillier

terça-feira, 19 de novembro de 2019

"Conta-me o Teu Segredo" de Dorothy Koomson [Opinião]


Fiquei curiosa com esta novidade da Dorothy Koomson assim que a capa portuguesa foi divulgada. Gosto imenso dos livros da autora, mas tenho adorado principalmente a sua vertente mais direcionada para o thriller, ou não fosse este o meu género de eleição.

Neste romance encontramos duas personagens principais ligadas pelo mesmo homem: "O Assassino da Venda".
Pieta, há 10 anos, foi raptada por ele e conseguiu sobreviver a um fim de semana de abusos e maltratos. Nunca contou o seu segredo a ninguém, decidindo prosseguir com a sua vida como se nada tivesse acontecido.
Jody é polícia e, 15 anos antes, cometeu um erro que permitiu que esse criminoso continuasse em liberdade. Quando descobre que Pieta sobreviveu a um ataque desse homem, percebe que talvez tenha encontrado uma forma de finalmente o apanhar.

Se quiseres sobreviver, este fim de semana... terás de fazer apenas uma coisa: ficar de olhos fechados...
Esta é a frase de abertura do livro e também uma das primeiras frases que o assassino diz às suas vítimas. Uma frase arrepiante, que me deixou imediatamente presa à história.


A narrativa vai alternando entre Pieta e Jody, permitindo-nos acompanhar a perspetiva destas duas mulheres. Achei-as muito diferentes e incrivelmente bem caracterizadas. Por um lado, temos uma polícia que nunca se perdoou pelo seu erro e que está disposta a tudo para apanhar o assassino. Por outro, temos aquela que foi vítima e que, sabe-se lá como, arranjou forma de prosseguir com a sua vida.

Como é se que continua com a vida normal depois de se ser raptada e violada incontáveis vezes? Como é que se vive após um momento de tamanho terror?

A autora, com todo o seu talento, coloca-nos na pele destas duas personagens, fazendo-nos compreender os seus pensamentos, os medos e os receios, nomeadamente como se sente uma vítima quando o seu mundo organizado a muito custo está prestes a ser novamente abalado.

"Conta-me o Teu Segredo" é um thriller que aborda temas como a violação, o aborto, o bullying, a vingança e o racismo. Os capítulos pequenos e com uma boa dose de suspense transformam este livro numa leitura prazerosa e viciante, fazendo com que se torne muito difícil de pousar.
O final é surpreendente e angustiante, tendo-me mexido com as emoções ao ponto de me deixar vários dias a pensar na história.

Dorothy Koomson volta a surpreender. Uma leitura que recomendo sem reservas!

Classificação: 5/5 estrelas

Nota: Este livro foi-me disponibilizado pela editora em troca de uma opinião honesta.

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Palavras Sentidas


"Dizem que são os haveres que nos possuem. Nada disso. Quem nos possui são os entes queridos. Somos eternos reféns por gostarmos tanto."

Invasão de Privacidade
Harlan Coben

quarta-feira, 6 de novembro de 2019

Palavras Sentidas


"Se calhar, ser assim feliz não era difícil. Tudo o que tinha de fazer era encontrar a fonte da felicidade e não confiar nos outros para receber a dose seguinte."

Chama-me pelo Teu Nome
André Aciman

segunda-feira, 4 de novembro de 2019

"O Conto da Ilha Desconhecida" de José Saramago [Opinião]


Tinha este conto guardado no computador há alguns meses à espera que me surgisse a vontade de o ler.
No ano passado li, pela primeira vez, uma obra de Saramago - Claraboia - e decidi que precisava mesmo de conhecer outros trabalhos do autor.

Este pequeno conto já apresenta a escrita característica do autor, ou seja, a ausência de pontuação. Este era o principal aspeto que me fazia embirrar com a escrita do autor mas, curiosamente, é como se a pontuação não fosse assim tão importante, uma vez que o nosso cérebro consegue perfeitamente pontuar o texto e oferecer-nos uma narrativa com sentido.

Ultrapassada esta dificuldade, dei comigo a apreciar a leitura. O conto é bonito, há sensibilidade nas palavras do autor, assim como um convite à reflexão. Esta é uma história sobre a importância de seguir os nossos sonhos, de pensar de forma diferente, independentemente do que os outros dizem de nós.

Um conto que certamente irei reler e cuja leitura recomendo vivamente a qualquer leitor.

Classificação: 4/5 estrelas

sábado, 2 de novembro de 2019

Aquisições: Outubro

O mês de outubro chegou ao fim e estou pronta para fazer o habitual balanço de aquisições literárias.
Vamos ver?

- Logo no primeiro dia do mês, aproveitei os Momentos WOOK para adquirir o mais recente livro do meu autor predileto de thrillers!
Já foi lido e podem ler a opinião aqui.

COMPRA


- Da Porto Editora, recebi o novíssimo romance de Dorothy Koomson. Estou ansiosa por me atirar a ele! Muito obrigada por esta tão gentil oferta!

OFERTA EDITORA


- No final do mês, a melhor amiga trouxe-me este livro. Tenho ouvido falar muito bem do autor nas redes sociais, pelo que estou bastante curiosa com ele.

EMPRESTADO


E como correu o vosso mês a nível de aquisições literárias? Partilhem comigo!

quarta-feira, 30 de outubro de 2019

Palavras Sentidas


"A grande barreira a ultrapassar para se começar a escrever é o próprio autor, as suas incertezas, os seus receios."

Como Publicar o Seu Livro
Rita Canas Mendes

sábado, 26 de outubro de 2019

"Não Desistas" de Harlan Coben [Opinião]


Harlan Coben é aquele autor que consegue pôr-me a ler quando passo semanas desanimada com os livros e sem vontade de olhar para letras.

Este é o seu mais recente thriller traduzido para português, comprei-o no início do mês e não esteve sequer dez dias na estante antes de me apetecer pegar nele. Aliás, foi o próprio livro que chamou por mim. Nunca tiveram a sensação de que, por vezes, não são vocês que escolhem os livros, mas sim eles que vos escolhem a vós?

E foi assim que eu mergulhei nesta empolgante história e consegui vencer a apatia literária que me andava a consumir.

Neste thriller, conhecemos Nap Dumas, um detetive de Nova Jérsia que, no final da adolescência, perdeu o irmão gémeo. Ao mesmo tempo, a sua namorada Maura também desapareceu sem qualquer explicação. Passaram-se 15 anos, mas Nap nunca deixou de procurar Maura nem de tentar perceber por que morreu o seu irmão. Agora irá finalmente descobrir a verdade...


Este livro inicia-se com um prólogo cativante, escrito em terceira pessoa. Posteriormente, todo o restante livro é narrado em primeira pessoa, na voz de Nap, dirigindo-se ao irmão que perdeu, Leo. É como se o livro fosse uma grande carta ao irmão.

O autor tem uma mão de mestre em conduzir-nos pelo meio de toda a investigação, dos segredos, das descobertas e de intermináveis reviravoltas. E há sempre a viagem ao passado, típica de todos os livros do autor. Todas as suas histórias se baseiam em acontecimentos que marcaram o passado das personagens.

Gostei imenso de Nap e da sua personalidade. Por vezes é um pouco bruto, mas tem o coração bondoso e, claro, ainda sofre com a perda do irmão e da mulher que amava. Gosto muito da sensibilidade que o autor tem para abordar os temas da perda e da saudade.

Pelo meio do livro, ainda encontramos Myron Bolitar, uma personagem que tem toda uma série de livros só sua, e a investigadora Loren Muse, que já apareceu noutros romances do autor.

Em conclusão, se procuram um livro empolgante para devorar em duas tardes, este é uma ótima escolha. É já o 15º thriller que leio do autor, por isso já podem ter uma ideia do quanto o aprecio como escritor.

Classificação: 4/5 estrelas