quarta-feira, 31 de julho de 2019

Palavras Sentidas


"Eu conheço o pânico.
Sei como nos altera. Como nos impede de pensar e de sentir convenientemente. Como distorce emoções insignificantes, conferindo-lhes proporções gigantescas, como transforma o ar que respiramos numa gaiola de arame farpado que nos mutila o próprio ser."

A Sereia de Brighton
Dorothy Koomson

sábado, 27 de julho de 2019

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Os motivos]


A Silvana já recebeu um novo livro no âmbito do nosso projeto conjunto.

Desta vez, pedi-lhe para me dar alguns critérios e assim ajudar-me a decidir que livro lhe enviar.

Os critérios que ela me deu foram os seguintes:

  • Ter entre 250 e 350 páginas;
  • Não ser thriller nem policial;
  • Que seja um livro leve, divertido e feliz.

Tendo em conta estes critérios, veio-me imediatamente ao pensamento este livro:


É uma leitura muito divertida e creio que será mesmo o que a Silvana precisa para ter uns momentos mais descontraídos.

Espero que gostes e que te ofereça uns bons momentos!

quarta-feira, 24 de julho de 2019

Palavras Sentidas


"O mundo seria um sítio mais eficaz se todas as pessoas tivessem saído de um romance popular, pensou ele. Nos romances populares, as pessoas conseguiam sempre manter os pensamentos em ordem enquanto saltavam com ligeireza de um capítulo para outro."

A Metade Sombria
Stephen King

terça-feira, 23 de julho de 2019

"A Sereia de Brighton" de Dorothy Koomson [Opinião]


Ler Dorothy Koomson é ter a certeza de que irei encontrar uma história cativante e envolvente.
E foi isso mesmo que aconteceu com este romance, que é já o oitavo que leio da autora.

Esta história começa em 1993, quando as adolescentes Nell e Jude descobrem o corpo de uma jovem abandonada na praia. Como ninguém consegue identificar esta vítima, ela passa a ser conhecida como A Sereia de Brighton.
Três semanas mais tarde, Jude desaparece e Nell fica ainda mais desamparada.

A narrativa vai alternando entre passado e presente. Nell, atormentada pelo passado, decide pedir uma licença no emprego para se dedicar unicamente a descobrir o que realmente aconteceu naquele fatídico verão, 25 anos antes.

Senti-me agarrada a este mistério logo desde os primeiros capítulos. Estes são curtos e, devido à alternância temporal, tornam-se muito apelativos e de leitura rápida. Eu gosto imenso de livros que nos fazem viajar entre o presente e o passado.


Gostei bastante da Nell, apesar da sua personalidade peculiar. Tanto ela como a irmã Macy foram muito afetadas pelo que sucedeu à sua família durante a adolescência e isso está bem patente na forma como elas se comportam na vida adulta. Nell é reservada e tem dificuldade em se abrir com as pessoas que lhe são próximas. Macy tem uma grande necessidade de ter a vida controlada, acabando por desenvolver um distúrbio obcessivo-compulsivo nos momentos de mais stress.

A autora é conhecida pelas suas histórias carregadas de drama, contudo, ultimamente tem vindo a adicionar-lhes um toque de mistério, o que me agrada sobremaneira, uma vez que o meu género atual de eleição é o thriller.

Um tema que adorei ver abordado neste livro foi o tema do DNA e das árvores genealógicas. Confesso que é algo que me desperta bastante curiosidade. São ainda abordadas as temáticas do racismo, preconceitos e problemas sociais, temas estes que são comuns praticamente a todos os seus romances.

A autora soube dosear muito bem o mistério e, a certa altura, começou a lançar as bombas e já não fui capaz de parar de ler. O final trouxe-me ainda umas lágrimas aos olhos.

Uma leitura que recomendo vivamente. Se por acaso ainda não leram nenhum livro da autora, deviam mesmo dar-lhe uma oportunidade!

Classificação: 5/5 estrelas

quarta-feira, 17 de julho de 2019

Palavras Sentidas


"O medo é uma coisa boa. Mantém-nos alerta, prudentes. Mantém-nos seguros."

O Carrasco
Daniel Cole

sábado, 13 de julho de 2019

"Cell - A Chamada da Morte" de Stephen King [Opinião]


Este está a ser o ano em que estou a apostar em mais obras de Stephen King, sendo já a terceira que leio do autor.

Imaginem que, de repente, um vírus se propagava por todos os utilizadores de telemóveis, deixando as pessoas violentas e com comportamentos semelhantes aos de zombies. Na verdade, se isso acontecesse, estávamos todos tramados pois quem é que não tem um telemóvel nos dias de hoje?

É esta ideia que Stephen King explora em mais um dos seus romances. Transportou-nos para um mundo pos-apocalíptico onde uma estranha epidemia ataca as pessoas como se fosse um vírus a atacar o software de um computador.

Um conjunto de sobreviventes veem-se assim desesperados, no meio de uma civilização que, de um momento para o outro, ficou caótica.

Esta é também a história de Clay, um artista do Maine que, quando tudo começou, se encontrava em Boston. Acabara de assinar um contrato para um livro de banda desenhada que lhe permitiria finalmente sustentar a sua família fazendo arte.


Quando as pessoas começararam a ficar loucas, tudo aquilo em que ele pensava era em encontrar o seu filho. Assim, esta é uma história sobre um pai e a sua busca pelo seu filho num mundo rodeado pelo caos e pela carnificina.

Confesso que esperava que este livro fosse mais violento. A sinopse caracteriza-o como «avassalador, sangrento e fascinante» mas, na verdade, acabei por não ficar assim tão impressionada com a violência nem senti um fascínio fora do normal.

É um livro bom, mas não é excelente. Creio que tem um início muito interessante mas que depois acaba por esmorecer um pouco até ao final que também me soube a pouco.

Li metade do livro em apenas uma tarde, mas depois demorei mais de uma semana a terminar o restante, portanto algo neste livro falhou e não me cativou o suficiente.

Não deixo de recomendar a sua leitura, embora não seja, na minha opinião, dos melhores livros do autor. Até agora, ainda nenhum chegou aos calcanhares de Misery, porém sei que ainda tenho imensas obras por explorar.

Classificação: 3/5 estrelas

quarta-feira, 10 de julho de 2019

Palavras Sentidas


"Não é com os problemas que as pessoas ficam chateadas tanto tempo. É com o facto de ninguém ter coragem de dar o primeiro passo e falar dos problemas."

A Ilusão de Merit
Colleen Hoover

sexta-feira, 5 de julho de 2019

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Livro Recebido]


Esta semana, chegou cá a casa mais um livro da Silvana, no âmbito do nosso projeto conjunto.

Desta vez, a Silvana propôs-me um desafio invertido. Deu-me uma lista de 20 livros, da qual eu escolheria aquele que queria receber. Em seguida, dir-lhe-ia quatro pistas que a pudessem ajudar a descobrir o livro que eu escolhera.

Registei num papel o nome do livro que eu escolhi:


E cá estão as pistas e respetiva justificação:

  • mulher (livro escrito por uma mulher)
  • três (número de aviões que constam na capa)
  • segredo (algo que envolve a personagem principal)
  • frio (a capa tem um casal vestido com roupa quente, o que me invoca o tempo frio)

Será que a Silvana interpretou corretamente as pistas e encontrou o livro que eu escolhi?

Aqui está o livro que recebi:


Como se pode ver, a Silvana não acertou, mas tenho de concordar que as pistas também se adequavam perfeitamente a este livro.
De qualquer forma, gostei imenso de receber este livro e acredito que será uma ótima leitura. Há já bastante tempo que não leio nada da Dorothy Koomson e será muito bom reencontrar a autora.

Obrigada Silvana!
Visitem o blogue dela para verem de que forma ela interpretou as minhas pistas.

quinta-feira, 4 de julho de 2019

"O Carrasco" de Daniel Cole [Opinião]


No ano passado, a Suma de Letras deu-nos a conhecer Boneca de Trapos, o primeiro thriller do autor inglês Daniel Cole. Agora, chegou a Portugal a sua continuação: O Carrasco.
Deixo o meu agradecimento à Suma de Letras (Penguin Random House Grupo Editorial) pela generosa oferta deste exemplar para leitura e partilha de opinião.

Antes de prosseguir com a minha opinião, deixo-vos um conselho: leiam a série por ordem. Embora os livros se possam ler independentemente, O Carrasco tem imensas referências ao Boneca de Trapos, incluindo um encontro com o assassino. Serão capazes de melhor usufruir desta leitura se conhecerem o livro anterior.

O Carrasco tem como protagonista a inspetora Emily Baxter, ainda não totalmente recuperada dos assassínios da Boneca de Trapos, apesar de já se terem passado 18 meses.
Desta vez, vai ser convocada para uma reunião com dois agentes americanos - Elliot Curtis, do FBI, e Damien Rouche, da CIA, e acabará por ser obrigada a participar numa investigação a homicídios que estão a ser cometidos em Nova Iorque e Londres.

Daniel Cole não teve medo de nos surpreender com homicídios extremamente cruéis e imaginativos. Alguns capítulos deixaram-me boquiaberta e houve uma cena, em especial, tão bem descrita que quase me deixou doente. Neste aspeto, posso mesmo afirmar que o autor se superou!


Em relação às personagens, adoro a inspetora Baxter. Já a conhecia do anterior romance, mas agora tive oportunidade de a conhecer melhor. Ela é rude, resmungona, sarcástica e com pouca paciência para respeitar a autoridade. Confesso que, por diversas vezes, dei por mim a rir à gargalhada da forma como ela tratava as outras pessoas. Contudo, por detrás deste mau feitio, esconde-se uma pessoa preocupada com aqueles que ama e também a tentar lidar com as suas fragilidades. Não consegue facilmente confiar nos outros e isso acaba igualmente por trazer novos constrangimentos.

Outra personagem de que gosto muito é o Edmunds, que já me tinha surpreendido no livro anterior. A participação dele deixou-me deveras empolgada, assim como o rumo que ele decidiu dar à sua vida.

Em comparação com o Boneca de Trapos, creio que este segundo romance está ainda melhor. Senti-me agarrada logo nos primeiros capítulos, li metade do livro em apenas uma tarde e o autor conseguiu surpreender-me a cada página. O final é intenso, embora tenha sentido falta de algumas explicações um pouco mais detalhadas.

Estou igualmente ansiosa que o terceiro volume chegue a Portugal, uma vez que acabei de ler a sinopse e já me sinto a salivar!
No geral, recomendo vivamente este thriller intenso de leitura viciante e onde a ação impera da primeira à última página.

Classificação: 4/5 estrelas

Nota: Este livro foi-me cedido pela editora em troca de uma opinião honesta.

quarta-feira, 3 de julho de 2019

Palavras Sentidas


"Esse é o problema quando perdemos alguém; temos a tendência para nos lembrarmos de todas as observações descuidadas, mesmo aquelas feitas na brincadeira."

Traz-me de Volta
B. A. Paris

terça-feira, 2 de julho de 2019

Aquisições: Junho

O primeiro semestre do ano terminou e chegou o momento, com tem sido habitual, de analisar o balanço das minhas aquisições literárias do mês de junho.
Vamos ver o que chegou cá a casa?

- Comecei o mês a receber mais um livro do Stephen King, emprestado pela melhor amiga. Está a ser a minha do momento.
Mais tarde, recebi um livro de um autor português para incluir nas minhas próximas leituras.

EMPRÉSTIMO


- No mês do meu aniversário, achei que tinha todo o direito de me oferecer algumas prendinhas.
Andava há imenso tempo à procura deste livro do Harlan Coben; consegui-o no OLX por um preço bem acessível.
Depois adquiri mais um livro do Chris Carter na WOOK, para aproveitar o vale de 100% que tinha para descontar. Ficou com um preço excelente!
Por fim, num momento de sorte, encontrei no OLX um livro da Tess Gerritsen que me faltava e que tem sido muito difícil de encontrar.

COMPRA


- Recebi ainda duas maravilhosas prendas de aniversário. O primeiro livro foi ofertado pela minha melhor amiga. Nunca li nada destes autores e já é o terceiro livro que vem morar para a minha estante. Tenho mesmo de me dedicar a eles em breve!
O livro da direita foi uma surpresa muito boa da Silvana, que acompanhou com um postal muito querido e uns marcadores magnéticos.

PRENDA


- Por fim, recebi ainda uma oferta da Suma de Letras (Penguin Random House Grupo Editorial), a quem agradeço desde já. Foi uma surpresa muito boa! Já está lido e a opinião será publicada nos próximos dias. Posso adiantar que foi uma leitura extremamente viciante!

OFERTA EDITORA


Foi mesmo um mês fantástico a nível de aquisições!
E quando a vocês, como correu o vosso mês?