quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Palavras Sentidas


"Como mãe tive de aprender que havia uma nítida diferença entre amar um filho e estragá-lo com mimos."

Confissões
Kanae Minato

domingo, 12 de novembro de 2017

Postais pelo Mundo | Estados Unidos da América (12) e França (4)

Hoje tenho dois postais para vos mostrar, dado que ultimamente tenho recebido bastantes.

O primeiro veio dos Estados Unidos da América mas, na realidade, apresenta uma fotografia do Reino Unido, mais especificamente da Abadia de Whitby, situada em Newcastle, e que oferece aos visitantes uma visão de cortar a respiração.

 
O segundo viajou da França e foi escrito por cinco adolescentes. Mostra uma fotografia de Moulins, uma cidade situada no centro de França.
 


sexta-feira, 10 de novembro de 2017

NaNoWriMo 2017 - Dia 10: Balanço


Tal como prometido, aqui está o primeiro balanço, ao fim de 10 dias, da experiência NaNoWriMo.
Têm sido dias verdadeiramente desafiantes. Não tenho muito tempo durante o dia para escrever e, por isso, tento aproveitar ao máximo todos os bocadinhos.

Nem sempre é fácil conseguir atingir a meta diária de palavras, pois a inspiração não está sempre a fluir livremente. O que mais me custou nos primeiros dias foi disciplinar-me a escrever. Tinha de desligar o skype, o facebook, o e-mail, em suma, qualquer página que repentinamente se tornava extremamente interessante e que apenas servia para distrair. Durante o tempo reservado para a escrita, esforçava-me por concentrar-me unicamente em escrever.

Em relação ao número de palavras, a meta para o dia 10 seria atingir as 16 670 palavras.

Aqui está o que escrevi até ao momento:


Estou com um atraso de 2662 palavras, o que não considero muito grave. Aliás, estou bastante contente com o meu desempenho, pois tenho conseguido escrever todos os dias e esse era um dos meus objetivos para este mês.

Nos próximos dias, vou esforçar-me ainda mais e espero conseguir recuperar este atraso. Fiquem atentos que no dia 20 voltarei com um novo balanço.

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Palavras Sentidas


"A verdade é que, ultimamente,  tenho andado a sentir que estou a afundar-me, e por vezes as pessoas têm de ser recordadas de que precisam mesmo é de continuar a nadar."

Isto Acaba Aqui
Colleen Hoover

terça-feira, 7 de novembro de 2017

"A Menina Silenciosa" de Hjorth & Rosenfeldt [Divulgação]

Título Original: Den Stumma Flickan
Autores: Michael Hjorth e Hans Rosenfeldt
Edição: 2017
Editora: Suma de Letras
Páginas: 559
PVP: 21,90€

O QUARTO VOLUME
DA SAGA SEBASTIAN BÉRGMAN

«Um romance trepidante que não foge do pesado custo emocional da culpa e da perda»
Sunday Times, Reino Unido
 
«Mais uma vez», um bem merecido sucesso: fascinante, ambicioso e cheio de reviravoltas inesperadas.»
Der Standard, Alemanha
 
«Crime escandinavo de alta qualidade, que nos faz desejar mais.»
Vrij Nederland, Holanda

Sinopse:

Suécia. Uma bonita casa branca, de dois andares. Lá dentro, uma família brutalmente assassinada - mãe, pai e duas crianças pequenas, mortos a tiro, em plena luz do dia. E o assassino escapou.
Sebastian Bergman, com o Departamento de Investigação Criminal, tenta deslindar o crime, mas, com o principal suspeito morto, vê-se num beco sem saída. Até que descobre que há uma testemunha. Uma menina, Nicole, viu tudo e fugiu, assustada. As pegadas que deixou conduzem a equipa à grande floresta atrás da casa.
Quando a encontram, descobrem que o trauma do que viu a deixou totalmente muda, comunicando apenas através de caneta e papel. Embora a menina se recuse a pronunciar uma única palavra, os seus desenhos revelam um facto convincente e inescapável: ela viu o assassino.
Bergman fica obcecado com o desafio de romper a parede de silêncio de Nicole. Enquanto isso, o assassino, agora consciente da existência da menina, está apostado em garantir que ela fique calada.

Sobre os autores:

MICHAEL HJORTH nasceu em 1963 em Visby. Sempre amou filmes e livros e hoje é um dos guionistas e produtores mais talentosos da Escandinávia. É um dos fundadores da produtora de sucesso Tre Vänner, responsável pela primeira comédia de grande sucesso da Suécia assim como por alguns dos guiões dos filmes da série Wallander, de Henning Mankell.

HANS ROSENFELDT nasceu em 1964 em Borås. Trabalhou como tratador de leões-marinhos, motorista, professor e actor até 1992, quando começou a escrever para a televisão. Escreveu guiões para mais de 20 séries e já foiapresentador de programas de rádio e televisão. É o criador da série sueca de maior sucesso - a premiada série policial Bron (“The Bridge”), reproduzida em mais de 170 países e com remakes nos EUA, com o mesmo nome, e em França (“The Tunnel”).

Outros títulos publicados:


domingo, 5 de novembro de 2017

Postais pelo Mundo | Alemanha (22)

Hoje mostro-vos outro postal que chegou à minha caixa do correio.

Viajou da Alemanha e mostra uma paisagem de Heidelberg, uma cidade alemã situada no vale do rio Neckar. Um importante ponto turístico desta cidade é o Castelo de Heidelberg.
 
 

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Livro do Mês: Outubro

Terminou mais um mês e este é o momento de fazer o habitual balanço de leituras.

Outubro foi um mês mais calmo em termos de leituras. Li 3 livros e iniciei um quarto.

Relativamente aos géneros literários, li um thriller, um livro de ficção científica (distopia) e um romance contemporâneo.

Foram todos ótimas leituras, por isso decidi eleger um romance português que, sem dúvida, merece ser lido. Apostem nele!

LIVRO DO MÊS


quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Aquisições: Outubro

O mês de outubro terminou e aqui estão as minhas aquisições literárias. Foi um mês onde predominaram as ofertas de editoras. Não comprei nada, por isso posso dizer que foi um mês bastante controlado.
Vamos ver o que recebi?

- Das editoras Suma de Letras e Clube do Autor chegaram estas simpáticas ofertas ao longo de todo o mês. Todos os livros me deixaram curiosa, embora o da Helena Sacadura Cabral não pareça ser o meu tipo de leitura.
Farei os possíveis para os ler brevemente e escrever as respetivas opiniões.

OFERTA EDITORA



- Chegou também a minha casa mais um livro da Silvana, para o nosso empréstimo conjunto. Está a ser a minha leitura do momento.

EMPRÉSTIMO


E como correu o vosso mês em termos de aquisições literárias?

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Palavras Sentidas


"A mãe tinha-lhe prometido que a noite era só o dia voltado do avesso, diferente mas igual."

A Chama ao Vento
Carla M. Soares

terça-feira, 31 de outubro de 2017

NaNoWriMo 2017 - Preparação


O desafio mais louco de sempre - NaNoWriMo - começa dentro de menos de 1h. Tenho vivido os últimos dias de outubro em grande expectativa e a sentir que os dias passavam demasiado devagar. É a primeira vez que participo em algo deste género e a verdade é que me sinto bastante entusiasmada.

Quase todos os dias, os responsáveis e organizadores do NaNoWriMo, enviam-nos e-mails com dicas, sugestões, testemunhos e mensagens encorajadoras e de força.
Também me juntei ao grupo NaNoWriMo Portugal, no facebook, e tem sido interessante trocar ideias e receber dicas de participantes mais experientes.

Não fiz nenhuma preparação especial para o mês que se avizinha. Não construí um guião para o meu romance; tenho a história toda na cabeça, ou pelo menos a maior parte, e todos os dias me vão surgindo novas ideias para cenas novas ou para acrescentar às cenas já existentes. Por isso, a minha escrita vai ser mais espontânea e flexível.

Não se esqueçam que vou tentar vir aqui de 10 em 10 dias contar-vos como tem sido a experiência.

E para quem deseja um cheirinho do meu conto, deixo-vos aqui um excerto de dois parágrafos:

Diego observou a violinista enquanto ela voltava a pegar no violino, encostando-o à curva delicada do queixo e, com a mão direita, segurava firmemente no arco. Assim que este se fundiu com as cordas do violino, um som inebriante espalhou-se pela rua.
A melodia era de uma tristeza palpável, um som de partir o coração, e alguns espectadores fecharam os olhos. Diego não conseguia mexer-se, sentia-se incapaz de desviar os olhos daquela mulher que manuseava o violino com a urgência de quem abraça um amante há muito perdido.
(in O Caçados de Talentos)

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

"O Último dos Nossos" de Adélaïde de Clermont-Tonnerre [Divulgação]

Título Original: Le Dernier des Nôtres
Autora: Adélaïde de Clermont-Tonnerre
Edição: 2017
Editora: Clube do Autor
Páginas: 412
PVP: 18,00€

«Ao atravessar épocas e exaltar a volúpia do amor, O Último dos Nossos faz lembrar as sagas de outros tempos, perscrutando incansavelmente as relações das pessoas com o seu passado, bem como os elevados riscos da procura de identidade.»
L' Observateur

«Este livro barroco, elegante até nos seus excessos, é uma obra digna desse nome.»
Lire

«Aqui encontrarão de tudo um pouco: uma rajada de ar fresco, amor, raiva, drama, aventuras! Um conselho: o leitor que não comece a leitura deste romance ao fim do dia, ou terá pela frente uma noite em branco.»
Psychologies

«Este romance significa uma lufada de ar fresco. Vira as costas a Paris e recusa sacrificar-se à autoficção, para determinar, podemos dizer, o curso da história.»
Le Figaro Littéraire

Sinopse:

Dresden, 1945: sob um dilúvio de bombas, uma mãe agoniza para dar à luz o seu filho.
Manhattan, 1969: um homem encontra a mulher sua sua vida no coração da Big Apple.

Do inferno da Europa, em 1945, à Nova Iorque hippie. Neste romance premiado com o Grande Prémio do Romance da Academia Francesa, Adélaïde de Clermont-Tonnerre conta a história dos anos loucos vividos na pele por dois genuínos filhos do século XX: Werner Zilch, nascido na Alemanha no estertor da Segunda Guerra Mundial, e Rebecca Lynch, herdeira de um homem de negócios e de uma mulher que logrou escapar com vida ao campo de concentração de Auschwitz. Uma paixão louca e proibida num cenário histórico repleto de reviravoltas e suspense.

Werner Zilch é um jovem carismático e empreendedor. Adotado desde tenra idade, vê-se confrontado com a descoberta das suas origens, tudo menos gloriosas. Aos olhos dos outros, pode ser considerado responsável pelos erros cometidos pelos seus antepassados? Como aceitar que o seu progenitor estivesse ligado ao nazismo?

A par das personagens, surgem nomes que os leitores por certo reconhecerão, todos eles figuras marcantes do seu tempo. A saber: Andy Warhol, Truman Capote, Tom Wolfe, Joan Baez, Patti Smith, Bob Dylan…

Uma complexa história de amor que é, ao mesmo tempo, um capítulo ficcionado da nossa História. O leitor não conseguirá pousar o livro enquanto não descobrir quem é, na verdade, «o último dos nossos». No fim, fica a pergunta: estaremos condenados a responder pelos crimes e pelo sofrimento dos nossos pais e avós?

Sobre a autora:

ADÉLAÏDE DE CLERMONT-TONNERRE nasceu em Neuilly-sur-Seine, a 20 de março de 1976. Educada num meio artístico, estudou na Escola Normal Superior de Paris. Fourrure, a primeira obra publicada em 2010, recebeu vários prémios literários, entre os quais o Maison de La Presse, Françoise Sagan e Bel Ami, e foi finalista dos conceituados prémios Renaudot e Goncourt (Primeiro Romance).

Jornalista e escritora, é atualmente chefe de redação da revista Le Point e participa em vários programas de rádio e de televisão. O Último dos Nossos é o seu segundo romance, vencedor do Grande Prémio do Romance da Academia Francesa e finalista do Grande Prémio do Romance Elle.

domingo, 29 de outubro de 2017

Postais pelo Mundo | Alemanha (21)

Aqui está mais um postal oficial recebido recentemente.
 
Veio da Alemanha e apresenta uma ilustração de um gato, intitulada Fred, e é da autoria de Geoffrey Martin.



sábado, 28 de outubro de 2017

"Maresia e Fortuna" de Andreia Ferreira [Opinião]


Antes de mais, quero agradecer à autora o convite que me fez para ler este seu mais recente trabalho. Já conhecia a trilogia Soberba, mas ainda não tinha tido oportunidade de ler nenhum dos livros, pelo que Maresia e Fortuna foi a minha estreia com a autora Andreia Ferreira.

A história deste livro decorre maioritariamente em Apúlia, uma vila pertencente a Esposende, aqui no norte, muito pertinho de onde eu vivo. Já visitei Apúlia algumas vezes, embora nunca tenha ido à praia tão falada neste livro. As descrições da Andreia provocam no leitor uma enorme vontade de partirem à descoberta destes locais.

A narrativa inicia-se devagar, mas rapidamente nos dá a conhecer as diversas personagens, todas com as qualidades, defeitos e medos, o que as torna mais humanas e mais realistas. Eduardo, Bianca e Vanessa são jovens como tantos outros, com vontade de aproveitar o verão. Contudo, a vida de Eduardo vai mudar quando conhece Júlia, uma mulher misteriosa, mais velha e atraente, e que vai despertar nele uma confusão de sentimentos.

Por sua vez, Júlia está na vila com intenção de descobrir finalmente o que aconteceu no seu passado, naquele terrível dia em que perdeu tudo.

Ainda conhecemos Simão, irmão de Eduardo, que se refugia na bebida para afogar as mágoas do passado, embora dê bastante importância à educação do irmão e às suas escolhas de vida. Adelaide, a mãe de ambos, é uma senhora com quem simpatizei logo, e que também esconde os seus segredos.

Sem dúvida que Júlia foi a personagem que mais despertou a minha atenção. À medida que ia progredindo na leitura, a minha curiosidade ia crescendo. O que teria acontecido de tão grave no passado de Júlia? Seria ela realmente louca ou andariam todos a mentir-lhe?
Gostei da evolução que a autora deu a esta personagem, mais para o fim do livro sentia-se ali uma aura de loucura nos seus pensamentos e ações, e senti que conseguia imaginar perfeitamente aquela personagem com a loucura no olhar.

O final foi muito poderoso e surpreendeu-me completamente. Houve um momento, a meio da leitura, que cheguei a desconfiar da revelação final, mas depois achei que não podia ser, que era algo demasiado macabro, e por isso esqueci a ideia. Mas aconteceu mesmo isso, e foi uma surpresa que me deixou de tal forma boquiaberta que tive de ler compulsivamente as páginas finais do livro.

Gostei muito e devo mesmo dizer que a autora está de parabéns. Embora não conheça os seus trabalhos anteriores, não posso fazer uma comparação, mas posso afirmar que a autora conseguiu trabalhar bastante bem esta história e dar-lhe um tom negro e dramático, que cada vez mais aprecio nos livros.

Uma autora portuguesa que merece ser lida. Não tenham medo de apostar na literatura portuguesa, que precisa urgentemente de ser mais valorizada.

Classificação: 4/5 estrelas

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

"Os Meus Poemas Não Rimam" de Ana Beatriz Cruz [Divulgação]

Para os apreciadores de poesia, aqui está um livro de uma autora portuguesa, recentemente publicado pela Chiado Editora.


Autora: Ana Beatriz Cruz
Data da publicação: Setembro de 2017
Páginas: 108
Coleção: Prazeres Poéticos
Género: Poesia
Preço: 11,00€ (papel); 3,00€ (ebook)
Sinopse:

Os meus poemas não rimam é um livro intimista que retrata vários estados de alma da autora e um pouco de todos nós.
Sentimentos e emoções fortes é o que se pode esperar de um livro onde a poesia não tem regra, onde os poemas não rimam.

“Se o tempo parasse,

eu pedia-lhe que parasse agora.

Agora que tenho tudo,

agora que és tudo,

que somos tudo.”

Sobre a autora:

ANA BEATRIZ CRUZ, nasceu em 1989, e desde cedo que é apaixonada pela escrita. Adora poesia, contos infantis e crónicas, escrevendo todos os dias, nem que seja um qualquer recado.
Licenciada em Jornalismo e Comunicação e Mestre em Jornalismo, Comunicação e Cultura pela Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Portalegre. Foi jornalista durante três anos, porém agora dedica-se a escrita literária, nomeadamente à poesia.
É autora de um poema integrante no VIII Volume da Antologia de Poesia Portuguesa Contemporânea “Entre o Sono e o Sonho”, edição e organização da Chiado Editora. Foi convidada para participar no projecto "Cabeça Falante - Uma cidade que vai contar histórias", no qual serão publicados três poemas de sua autoria.

Palavras Sentidas


"É necessária uma grande dose de verdade para contar uma mentira. A verdade tem de circundar o coração pulsante de qualquer mentira para que esta seja convincente, credível."

Os Falsários
Bradford Morrow

terça-feira, 24 de outubro de 2017

"Os Nove Magníficos" de Helena Sacadura Cabral [Divulgação]

Título: Os Nove Magníficos
Autora: Helena Sacadura Cabral
Edição: 2017
Editora: Clube do Autor
Páginas: 304
PVP: 15,75€

Depois de As Nove Magníficas, cuja nova edição chegou recentemente às livrarias nacionais, em outubro juntamos-lhe Os Nove Magníficos, um livro que reúne um olhar único sobre governantes excecionais da História de Portugal.

Sinopse:

Ao longo da nossa História, vários foram os reis que tiveram papéis determinantes na definição daquele que é hoje o nosso país.

Helena Sacadura Cabral faz uma leitura pessoal de nove séculos de governação, escolhendo os reis que se distinguiram no exercício do poder e se revelaram seres humanos especiais.

Da fundação da nacionalidade com Afonso Henriques ao fim da monarquia com o rei D. Carlos I, este livro percorre os reinados marcantes de D. Dinis, D. João I, D. João II, D. Manuel I, D. João IV, D. José I e D. João VI.

A autora faz o retrato destes nove reis com o objetivo de descobrir quem foram de facto as pessoas que se esconderam por detrás das personagens que a vida encarregou de colocar, ao longo dos séculos, como nossos governantes, marcando o rumo de Portugal.

Sobre a autora:

HELENA SACADURA CABRAL é licenciada em Economia, tendo obtido o prémio para o melhor aluno do Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras (ISCEF). Desempenhou vários lugares de chefia na Administração Pública, tendo sido a primeira mulher a ser admitida nos quadros técnicos do Banco de Portugal. Além de colunista de diversos jornais e revistas, tem mantido colaboração regular em televisão.

Autora de mais de duas dezenas de livros, concilia ainda a participação cívica com a atualização dos seus blogues:

http://hsacaduracabral.blogspot.pt/
http://oestadodaarte.blogspot.pt/
http://duas-ou-tres-coisas-que-eu-ja-sei.blogspot.pt/
http://duasoutrescoisasquejulgosaber.blogspot.pt/
http://agendadossabores.blogspot.pt/
http://e-nada-o-vento-levou.blogspot.pt/


segunda-feira, 23 de outubro de 2017

"Convergente" de Veronica Roth [Opinião]


Convergente é o livro que conclui a trilogia Divergente, de Veronica Roth.

Depois de conhecermos o sistema de fações e de as vermos colapsar e entrar em guerra, neste terceiro volume ficamos a conhecer uma realidade diferente: a existência de um mundo para além da cidade onde vivem as nossas personagens.

Tris e Tobias têm oportunidade de ir explorar o mundo para lá da vedação, em busca de um lugar melhor para viver, um lugar livre de mentiras e complicações. Mas o que vão encontrar pode ser ainda mais assustador do que o lugar que deixam para trás.

Ao contrário do segundo livro, que não me entusiasmou tanto, este voltou a cativar-me. Gostei imenso de conhecer o lado de lá da vedação, descobrir como surgiram as fações e, sobretudo, ver Tris e Caleb a descobrirem a verdade sobre a mãe.

Este livro não pareceu tão cheio de adrenalina como os anteriores, mas a mim não me fez diferença; o ritmo mais calmo trouxe informações importantes.

O final não foi do agrado de muitos leitores, pelo que conseguir perceber através de opiniões no Goodreads. Para mim foi uma surpresa, sim, não esperava nada esse acontecimento, mas não desgostei. Penso que fez muito sentido e que a autora se manteve fiel à história que nos trouxe desde o início.

Qualquer apreciador de fantasia/distopias apreciará esta história sobre amor, amizade, sacrifício e o valor das nossas escolhas.

Classificação: 4/5 estrelas

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Livro Recebido]


Estes dias recebi um novo livro da Silvana, de forma a dar continuidade ao nosso projeto conjunto.

Aqui está o livro que recebi:


Foi uma ótima surpresa! O envelope era bem pesado e volumoso, pelo que suspeitei logo que ela me teria enviado um livro grosso, e fiquei toda contente quando percebi que se tratava de um romance da Lesley Pearse, a continuação da maravilhosa história da Belle. Estou ansiosa por iniciar a leitura!

Obrigada Silvana!
Podem passar no blog dela para conhecerem os seus motivos para me ter enviado este livro.

domingo, 22 de outubro de 2017

Postais pelo Mundo | República Checa (2) e Estados Unidos da América (11)

Hoje trago-vos postais a dobrar, já que recebi bastantes durante o mês de setembro.

O primeiro veio da República Checa e apresenta uma imagem da Nebulosa de Órion, situada, tal como o nome indica, no Cinto de Órion. É um dos objetos astronómicos mais fotografados, examinados e investigados.

 
O segundo postal viajou dos Estados Unidos da América e, infelizmente, trata-se de um postal sem grande graça, com um pequeno texto relacionado com whiskey.


sábado, 21 de outubro de 2017

"A Cicatriz do Mal" de Pierre Lemaitre [Divulgação]

Título Original: Sacrifices
Autor: Pierre Lemaitre
Edição: 2017
Editora: Clube do Autor
Páginas: 320
PVP: 15,75€

«Lemaitre eleva o género negro a um nível que raramente se encontra: o lugar onde mora a literatura.»
Le Figaro Magazine

«Um excelente escritor de livros de suspense.»
Stephen King

 «Uma trama que proporciona o melhor de Lemaitre: qualidade literária, ritmo, controlo da narrativa e uma personagem distinta, por vezes enternecedora e sempre tocante.»
El País

«Lemaitre é um autor imprescindível no panorama literário atual. […] A cicatriz do mal é um romance de ação vibrante, visualmente perfeito.»
El Periódico de Catalunya

Sinopse:

A Cicatriz do Mal revela um escritor na plena posse das suas qualidades estilísticas. Como sempre acontece com Pierre Lemaitre, temos a impressão de se tratar de uma narrativa clássica, numa abordagem literária ao mais alto nível.

Galerie Monier, Paris. Uma mulher é apanhada de surpresa por três homens armados que assaltam uma joalharia nos Campos Elísios. A mulher chama-se Anne Forestier. Trata-se da companheira do comissário Camille Verhœven, responsável pela Brigada Criminal. Fazendo tábua rasa da lei e correndo o risco de perder o posto de trabalho, o comissário esconde dos demais polícias o facto de conhecer Anne e toma a investigação a seu cargo. É o primeiro passo de uma manipulação orquestrada por um assassino vingativo. Na realidade, quem dá caça a quem? E quem é a verdadeira presa?

Gravemente ferida e coberta de cicatrizes, Anne fica internada no hospital, até que Camille a esconde na casa isolada. Perseguida por um dos atacantes, esta misteriosa mulher manterá o comissário na corda bamba, tanto a nível pessoal como profissional. Digno herdeiro de Sherlock Holmes e Hercule Poirot, com uma costela de Philip Marlowe, o comandante é um mestre na arte de bem investigar, mas este caso revela-se uma manipulação com requintes de vingança pessoal.

Como habitualmente acontece na escrita de Lemaitre, as aparências enganam, e Camille acabará por compreender que é vítima de uma intriga que remonta ao passado.

Sobre o autor:

PIERRE LEMAITRE nasceu em Paris, em 1951. Deu aulas de Literatura francesa e americana durante vários anos e atualmente dedica-se à escrita e ao teatro.

Os cinco thrillers que escreveu, premiados pela crítica e aplaudidos pelos leitores, fizeram dele um dos grandes nomes das letras francesas e granjearam-lhe o reconhecimento internacional. A trilogia do comandante Camille Verhoeven recebeu, entre outros, os prémios Dagger, Prix du Premier Roman Policier de Cognac, the Prix du Meilleur Polar Francophone e Melhor Romance Policial Europeu. Até nos vermos lá em cima, a sua primeira incursão fora do romance «negro», foi galardoado com o Prémio Goncourt de 2013, o Prix du roman France Télévision, o Prix des lycéens en toutes lettres, o Prix des librairies Nancy/Le Point e o Prix littéraire de la ville de Brignoles.

As suas obras estão traduzidas em trinta línguas, e várias foram adaptados ao cinema e ao teatro.

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

NaNoWriMo 2017

Todos os anos, em novembro, acontece o NaNoWriMo, ou National Novel Writing Month, que, para quem não conhece, é uma espécie de competição a nível mundial, que convida autores amadores ou profissionais a escreverem um romance com pelo menos 50 000 palavras no espaço de um mês (1 a 30 de novembro).

A novidade é que este ano decidi participar. Pois é, devo ter perdido a cabeça para me meter em algo tão desafiante!

No mês de junho, escrevi um conto que esteve agora a ser lido por alguns leitores beta. Recebi feedbacks positivos e encorajamentos para desenvolver a história. A verdade é que começaram a surgir algumas ideias e decidi que valia a pena tentar aproveitar melhor o conto. Assim, o meu objetivo é pegar nas novas ideias e desenvolver e aprofundar a história principal do conto.

Por isso, durante o próximo mês vou-me propor a escrever como se não houvesse amanhã. Tenho perfeita consciência que 50 000 palavras é um objetivo demasiado ambicioso para mim, mas vou fazer os possíveis para chegar o mais perto que conseguir deste número.

De 10 em 10 dias virei aqui fazer um balanço e contar-vos como tem sido a experiência.

Se algum de vocês também tencionar participar no NaNoWriMo deste ano, deixem um comentário; terei muito gosto em conhecer e apoiar o vosso projeto literário.

Boa sorte a todos os participantes!
Vamos lá começar a escrever!


quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Palavras Sentidas


"A verdadeira dimensão de um homem nada tem a ver com os anos, mas sim com o modo como ele toma conta dos que dependem dele."

Um Beijo Inesquecível
Teresa Medeiros

terça-feira, 17 de outubro de 2017

"Menina Boa, Menina Má" de Ali Land [Opinião]


O romance Menina Boa, Menina Má foi a minha estreia com a autora Ali Land, e quero desde já agradecer à editora Suma de Letras pela gentil oferta deste exemplar.

Menina Boa, Menina Má dá-nos a conhecer Annie, uma jovem de 15 anos que entrega a sua mãe - uma assassina em série - à polícia. Quando é colocada numa família de acolhimento, com um novo nome (Milly), espera que isso signifique um novo começo de vida.
Mas o passado não dá descanso, os segredos não a deixarão dormir e Milly vai ter de decidir se será uma menina boa ou uma menina má.

Este livro conseguiu prender-me logo desde o início, com Annie a entregar a mãe à polícia. As assassinas em série são raras na literatura e isso despertou de imediato a minha ânsia de conhecer melhor esta personagem.

Milly é colocada numa família de acolhimento, enquanto aguarda o julgamento da mãe. A família é composta por Mike (pai e psicólogo que acompanhará Milly), Saskia (uma mulher nada segura no seu papel de mãe) e Phoebe (a típica adolescente bem sucedida na escola, mas com problemas com os pais e irritada com o facto deles continuarem a acolher jovens).

Milly vai para a escola, procurando fazer uma vida normal, mas não terá a vida facilitada dado que vai começar a sofrer bullying por parte de Phoebs. Esta é uma temática que me interessa bastante e penso que a autora conseguiu abordá-la muito bem, dando-lhe um papel importante na narrativa.

Este é um livro que aborda sobretudo questões familiares e que nos faz refletir acerca do que é a maternidade. Milly cresceu com uma mãe que era tudo menos mãe, não cumpria a sua principal função de proteger e amar a criança. Percebemos que Milly não era apenas espetadora dos crimes que a mãe cometia, era também ela uma vítima.

O final não foi de todo previsível, mas acontecimentos ao longo do livro fizeram-me começar a perceber para que lado ia pender o comportamento de Milly.

No geral, é um thriller interessante, perturbador e de grande sensibilidade, que certamente ficará na recordação dos leitores.

Classificação: 4/5 estrelas

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

"O Bibliotecário de Paris" de Mark Pryor [Divulgação]

Título Original: The Paris Librarian
Autor: Mark Pryor
Edição: 2017
Editora: Clube do Autor
Páginas: 328
PVP: 15,75€


«Por favor, acrescentem Mark Pryor à lista da autores a seguir.»
Lee Child


«A chave pode estar enterrada no passado, mas o raciocínio de Marston, à semelhança de Sherlock Holmes, leva-o até ao verdadeiro assassino.»
Kirkus


Sinopse:

A morte de um oficial nazi durante a ocupação de Paris pode ser a chave para resolver um mistério do presente.

O diretor da Biblioteca Americana em Paris é encontrado morto numa sala trancada. A polícia conclui que o homem morreu de causas naturais, porém o responsável pela segurança da Embaixada dos EUA tem a certeza de que algo errado se passou. A sua investigação leva-o até à cena de um crime cometido durante a Segunda Guerra e as suas descobertas vão surpreender tudo e todos.

Com Paris como pano de fundo, esta é uma história envolvente e imprevisível que evoca o período da Resistência francesa durante a ocupação nazi e alguns dos crimes cometidos em nome da liberdade.

Um mistério para amantes de livros
e um livro para amantes de mistérios.

Sobre o autor:

MARK PRYOR nasceu em 1967, em Inglaterra, mas reside atualmente nos Estados Unidos, para onde se mudou em 1994, com a mulher e os três filhos.

Pryor foi jornalista durante alguns anos, e, já nos Estados Unidos, frequentou o curso de jornalismo na universidade da Carolina do Norte, licenciando-se depois em Direito pela universidade Duke. Atualmente trabalha no gabinete do Procurador-Geral Distrital em Austin, Texas.

Pryor escreve regularmente sobre o mundo do crime e os casos reais que enfrenta no seu dia a dia. O Livreiro foi o seu primeiro romance com Hugo Marston, personagem que conquistou os leitores e a crítica.

domingo, 15 de outubro de 2017

Postais pelo Mundo | Greetings from... Índia

Hoje venho atualizar a coleção Greetings from..., que ganhou recentemente um novo postal. Fiquei super entusiasmada porque me foi oferecido como postal de agradecimento, e principalmente por ser da Índia, um país que me desperta um enorme fascínio. Devo dizer-vos que este fascínio começou depois de ler o livro Sob um Céu de Mármore Branco, de John Shors, há cerca de sete anos.

 
Podem clicar na imagem se desejarem ler com mais atenção os factos acerca deste país.

A curiosidade que destaco é que a Índia tem a maior rede de correios do mundo.
Destaco ainda o pavão-indiano (imagem abaixo), considerado a ave nacional da Índia. 
 
 

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Dia das Compras na Net

Aparentemente, hoje, dia 13 de outubro,
é o Dia das Compras na Net.

A WOOK decidiu oferecer outra promoção tentadora aos amantes de livros:

20% de desconto + portes grátis!



Já sabem, é só clicar na imagem!

Não sei quanto a vocês, mas eu acho que me vou manter afastada da internet o resto do dia!!

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

"Manual de um Homicídio" de Gonçalo JN Dias [Divulgação]

Após a publicação de O Bom Ditador - O Nascimento de um Império, que obteve algum sucesso no mercado independente português e brasileiro, o autor Gonçalo JN Dias traz-nos agora um policial.


Sinopse:

Marina, uma mulher de 38 anos com um relacionamento desgastado, apaixona-se por um colega de trabalho, casado e com um filho. Os dois têm uma relação tórrida. Um deles comete um assassinato.

Oscar, um polícia de homicídios, é encarregue do caso. É um homem dedicado ao seu trabalho e à sua família, que goza e brinca com as típicas series policiais norte-americanas.


Se ficaram curiosos com este livro, o autor tem boas notícias para vocês:

- Entre os dias 12 a 16 de outubro, o livro estará disponível gratuitamente, em qualquer formato digital, tanto na Amazon como no blog do autor.

- Para quem preferir em formato papel, está a decorrer um sorteio no Goodreads até ao dia 5 de novembro.

Não percam a oportunidade de conhecer este autor português.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Palavras Sentidas


"Quem me dera que quebrar os laços que mantenho com a pessoa que me magoou fosse tão fácil como eu costumava julgar que seria. Impedir o coração de perdoar alguém que se ama é, na verdade, muito mais difícil do que simplesmente perdoar essa pessoa."

Isto Acaba Aqui
Colleen Hoover

terça-feira, 10 de outubro de 2017

"Não Digas Nada" de Brad Parks [Divulgação]

Título Original: Say nothing
Autor: Brad Parks
Edição: 2017
Editora: Suma de Letras
Páginas: 520
PVP: 19,90€

«Inteligente, com ritmo e uma série de reviravoltas à medida que a tensão aumenta até um clímax emocionalmente imprevisível.»
The Times

«Excelente - começa com um estrondo e vai ficando cada vez mais tenso. Não Digas Nada demonstra que Parks é um escritor de qualidade no seu melhor.»
Lee Child

«As páginas finais são surpreendentes e profundamente emocionantes. Um novo nível no thriller
The Washington Post

Sinopse:

Quanto pode custar o silêncio?

Numa quarta-feira como outra qualquer, o juiz Scott Sampson está a preparar-se para ir buscar os filhos gémeos de seis anos para os levar à aula de natação. A sua mulher, Alison, envia-lhe uma mensagem: mudança de planos, ela tem de os levar ao médico. Assim sendo, Scott regressa para casa mais cedo. Mas quando, mais tarde, Alison chega, está sozinha - sem Sam, sem Emma - e nega ter conhecimento da mensagem...

O telefone toca: uma voz anónima diz-lhes que o juiz deve fazer exactamente o que lhe é dito num caso de tráfico de droga que está prestes a ser julgado. Se recusar, as consequências para as crianças serão terríveis.

Para Scott e Alison, a chamada do sequestrador é apenas o começo de uma tentativa tortuosa de chantagem, engano e terror. Não haverá nada que os detenha para recuperarem os seus filhos, não importa a que custo...

Um romance intenso que explora o lado mais obscuro do Mal, pondo a nu as fragilidades da natureza humana perante a ameaça da perda mais dolorosa.

Sobre o autor:

BRAD PARKS foi o único autor a ganhar o Shamus, o Nero e o Lefty Awards, três dos prémios mais prestigiantes da ficção de crime. Trabalhou como jornalista para o The Washington Post e o The Star-Ledger e vive na Virgínia com a mulher e os dois filhos.

Reconhecido autor de séries de detetives, o seu primeiro livro que não faz parte de nenhuma série, Não Digas Nada, está a ser tão aplaudido como os seus sucessos anteriores.