quinta-feira, 30 de maio de 2019

"A Batalha da Escuridão - As Crónicas de Byllard Iddo" de Bruno Martins Soares [Opinião]


A sugestão literária de hoje é para todos os fãs de ficção científica e fantasia, embora qualquer leitor esteja convidado a conhecer este romance de Bruno Martins Soares.

Este autor português conta já com bastantes trabalhos publicados, tendo-se tornado mais conhecido no panorama português com a publicação de A Saga de Alex 9, pela Saída de Emergência.

Publicou em inglês a série The Dark Sea War Chronicles, em três volumes, que foram agora traduzidos e adaptados para português. Assim, pelas mãos da Editorial Divergência, nasceu A Batalha da Escuridão, um livro completo que agrupa os três volumes da série.

Tive oportunidade de colaborar neste manuscrito como revisora, li-o duas vezes de início ao fim e, apesar de não poder fazer uma leitura mais descansada, dado que era necessário prestar atenção a todo o conteúdo escrito e corrigir tudo o que fosse necessário, posso assegurar-vos que, mesmo assim, consegui vibrar com esta leitura.


A narrativa acompanha Byllard Iddo, um jovem que se junta à Marinha Espacial num momento em que, num distante sistema solar, rebenta a guerra entre a União de Webbur, o Reino de Torrance, e o seu rival, a República de Axx.

O romance tem uma escrita muito apelativa, sem floreados e onde prevalece a ação. Nesta narrativa de entretenimento puro, o autor conduz-nos pelas mais variadas aventuras, batalhas entre navios espaciais, perseguições e fugas, desastres, drama, sacrifício, morte e, claro, uma pitada de amor.

Este livro fez-me lembrar os filmes de Star Trek. Nunca tinha lido nada passado no espaço e confesso que fui agradavelmente surpreendida. Portanto, se acham que este livro se encaixa nas vossas preferências literárias ou se simplesmente sentem curiosidade, experimentem. Arrisquem!
Vamos apoiar os nossos autores e ler o que se escreve em Portugal!

Classificação: 4/5 estrelas

quarta-feira, 29 de maio de 2019

Palavras Sentidas


"Rosie interrogou-se se a raça humana saberia realmente qual a importância de um abraço (...). Calculou que algumas pessoas o soubessem, mas duvidava que representassem a maioria. Para dar a verdadeira importância a um abraço talvez uma pessoa tivesse de passar muito tempo sem isso."

O Retrato de Rose Madder
Stephen King

quinta-feira, 23 de maio de 2019

"Uma Mulher Respeitável" de Célia Correia Loureiro [Opinião]


Uma Mulher Respeitável é o segundo romance histórico de Célia Correia Loureiro e surge no seguimento do livro A Filha do Barão. O romance retoma um mistério que ficou em aberto no final do livro anterior embora, na minha opinião, possa ser lido individualmente.

Li o primeiro livro em 2016 e confesso que, volvidos três anos, já não me recordo inteiramente de muitos pormenores da história. Recordo-me, sim, de ter demorado quase um mês a concluir a leitura, uma vez que é um livro bastante denso. Por essa razão, receava que este novo livro me tomasse também todo esse tempo.
Deixem-me dizer-vos que não há qualquer problema em demorar duas, três ou quatro semanas a ler um livro. Pessoalmente, não gosto de demorar muito tempo, pois fico com a sensação de que, quanto mais tempo passa, mais me sinto desligada da história e das personagens.

Felizmente, nada disso aconteceu com este livro que, logo desde o primeiro capítulo, me surpreendeu por ser tão cativante e por me deixar imediatamente interessada.

A única desvantagem deste livro é a letra exageradamente pequena, o que poderá dificultar a leitura a algumas pessoas. No meu caso, ultrapassei rapidamente essa dificuldade e não demorou muito tempo até me sentir transportada para dentro destas páginas.


Mariana de Albuquerque e Turner regressa passados 50 anos. E que bom que foi reencontrar esta personagem! Desta vez, recebe uma pista de que uma reclusa que se encontra na prisão poderá ser a filha que ela perdeu em 1809.
Determinada a descobrir a verdade, Mariana tudo fará para conseguir que esta mulher fale e lhe revele a sua história.

O livro está organizado em capítulos curtos, que apelam à leitura, e é através de avanços e recuos no tempo que vamos descobrindo tudo acerca de Leonor Sanches, ou Evelyn St. Clair. Adorei a forma como a autora nos apresentou a história; aprecio imenso estas viagens entre presente e passado, permitindo-nos descobrir um acontecimento de cada vez e, desta forma, manter a curiosidade mais viva do que nunca.
Acredito que para alguns leitores poderá ser confuso estar sempre a saltar no tempo, mas este é um aspeto que me agrada nos livros, principalmente se houver organização, o que é totalmente o caso deste livro.

Leonor Sanches é uma personagem incrível. Embora, à primeira vista, na prisão, nos pareça apática e desinteressante, mais tarde compreendemos que isso se deve a tudo o que passou na sua vida. E não foi pouco! As desgraças e o sofrimento que vivenciou fizeram dela uma mulher implacável e movida por um insaciável desejo de vingança.
Tenho de confessar que adoro a temática da vingança nos livros e, por essa razão, senti esta história com outra intensidade.
O final não foi feliz e deixou-me com um sentimento melancólico, porém a realidade é que a vida também tem os seus momentos negros, e este livro mostra-nos as consequências graves que os desencontros podem ter nas relações humanas.

Li que este livro é o segundo de uma trilogia, mas não tenho a certeza se a autora vai mesmo escrever um terceiro livro. Contudo, deixo aqui a minha dica: adorava conhecer melhor o Victor St. Clair.

Ontem, dia 22 de maio, comemorou-se o Dia do Autor Português. Deixo-vos esta sugestão de leitura, um livro realmente bom, com uma escrita soberba e adequada à época, de uma das melhores autoras que temos atualmente na geração mais jovem. Por favor, leiam os livros da Célia Correio Loureiro! Apoiem o que é português!

Classificação: 5/5 estrelas

quarta-feira, 22 de maio de 2019

Palavras Sentidas


"Sinto o olhar dele a cada passo que dou. Os olhares não deviam ter impacto, mas saber que ele está de olho em mim pesa-me nos passos. Até me pesa no estômago."

A Ilusão de Merit
Colleen Hoover

sábado, 18 de maio de 2019

Passatempo Dia da Mãe [Resultado]


Para assinalar o Dia da Mãe, que se comemorou no passado dia 5, decidi oferecer o livro A Mãe Eterna, de Betty Milan, a um dos meus seguidores.

Foram registadas apenas 11 participações, o que me deixou um pouco triste por o passatempo ter suscitado tão pouco interesse.

Pedi que me descrevessem a vossa mãe numa só palavra pois tencionava usar os resultados para fazer uma espécie de montagem de homenagem mas, como não tive número suficiente de participações, não o vou fazer.

Vamos, sem mais demoras, anunciar o vencedor:

Parabéns Manuela Colaço!

Vais receber um e-mail, ao qual deverás responder com os teus dados.
Obrigada a todos os que participaram e mantenham-se desse lado; em breve teremos novos passatempos.

sexta-feira, 17 de maio de 2019

"A Ilusão de Merit" de Colleen Hoover [Opinião]


Fico sempre entusiasmada quando é publicado um novo livro da Colleen Hoover em Portugal. Curiosamente, estava convencida de que iriam publicar o seu mais recente livro, um thriller, e só descobri que não era o caso depois de ler a sinopse.

Este livro conta-nos a história de Merit, uma jovem de 17 anos que vive numa igreja reconvertida com a sua família disfuncional. A mãe, sobrevivente de cancro, vive num quarto na cave; o pai é casado com a antiga enfermeira da mãe; a sua irmã gémea e o irmão mais velho são a imagem da perfeição. E Merit sente que nunca conseguirá ser como eles.

Mergulhei nesta história sem qualquer receio; confio totalmente que a autora nos traz livros cativantes e que nos enchem o coração.

A primeira metade do livro foi divertidíssima. Senti-me conquistada logo desde o primeiro capítulo e, tal como tem sido habitual, adorei a forma como a autora me conseguiu prender de imediato. As situações caricatas foram inúmeras e ri-me tanto que, durante momentos, consegui alhear-me de tudo ao meu redor.


Contudo, sendo um livro da Colleen, sabemos que o drama não pode faltar e foi isso que começou a acontecer assim que ultrapassei a metade do livro. Ficou mais sério e capaz de nos fazer refletir.

Acabei por não me sentir tão fascinada por este livro como me senti com os anteriores da autora, talvez devido à faixa etária dos protagonistas. Dado que são jovens entre os 17 e os 20 anos, creio que terá sido normal não me ter identificado tanto com eles.

Sendo contado na perspetiva de Merit, somos levados a ver a sua família tal como ela a vê, o que pode não ser também a visão certa, uma vez que ela é uma jovem que se sente um pouco perdida e, de certa forma, invisível, no meio de toda aquela gente.

O livro aborda temas interessantes, tais como a depressão na adolescência, a imagem que os jovens têm do que é a perfeição e de como é importante compreendermos os outros e colocarmo-nos no papel deles antes de os julgarmos. Aborda ainda a sexualidade, a saúde mental e a importância de conversar e de abraçar.

Não é um dos melhores livros da autora, mas acredito que será uma leitura importante para os mais jovens.

Classificação: 4/5 estrelas

quarta-feira, 15 de maio de 2019

Palavras Sentidas


"Os poetas falavam do desejo de morrer se não pudessem ter a pessoa amada, mas ela achava esse sentimento débil. O amor era enriquecedor, devia ser guardado no coração com orgulho, mesmo que a pessoa amada morresse ou nos fosse arrebatada."

Segue o Coração - Não Olhes para Trás
Lesley Pearse

segunda-feira, 13 de maio de 2019

Antologia | "O Resto é Paisagem"


Para assinalar os 7 meses da publicação da antologia O Resto é Paisagem, onde vi um conto meu ser publicado, deixo-vos aqui a lista dos dez contos.

  • "Rogos e Mitos" - Inês Montenegro
  • "O Prego no Portão" - João Ventura
  • "O Poço" - Simão Cortês
  • "O Espírito do Vento" - Lívia Borges
  • "A Última Missa" - Raquel Cal
  • "Chegou ao seu Destino" - Rui Ramos
  • "Já Não se Pode Ter um Bixo" - Carlos Alberto Espergueiro
  • "A Solidão é um Deus Negro" - Ricardo Correia
  • "Anátema" - Pedro Nuno Galvão
  • E, por último, o meu conto: "A Maldição da Casa da Colina".

Um livro com contos muito diversificados dentro da temática da fantasia rural. É importante valorizarmos os autores portugueses e acredito que as antologias são ótimos meios de conhecer novos autores.

Vocês também têm por hábito ler antologias ou contos que os autores disponibilizem?

quarta-feira, 8 de maio de 2019

Palavras Sentidas


"É isto que o amor nos faz. Torna-nos receosos, deixamos de ser corajosos. Dá ao mundo dentes carnívoros prontos para, a qualquer altura, rasgarem pedaços da nossa vida."

Desaparecidas
Tess Gerritsen

segunda-feira, 6 de maio de 2019

"A Metade Sombria" de Stephen King [Opinião]


Já imaginaram como seria se o pseudónimo de um autor ganhasse vida própria? Esta é a premissa base em que assenta este livro de Stephen King.

Thad Beaumont é um escritor que já publicou diversos livros. Contudo, aqueles que mais fizeram sucesso foram os livros de terror que ele assinou com o seu pseudónimo, George Stark.
Mas é quando ele decide revelar a verdade e deixar de escrever sob esse pseudónimo, que coisas terríveis começam a acontecer.

Achei este livro um pouco diferente de outros que já li do autor. Creio que este se insere mais na categoria de horror, uma vez que apresenta descrições mais grotestas, assassinatos cruéis e visualmente sangrentos e repugnantes.

O propósito deste livro não é descobrir o assassino, dado que desde cedo sabemos quem ele é. O que precisamos de saber é o que pretende ele de Thad e como é que este poderá vencê-lo, antes que toda a sua família apareça morta.

Assim, A Metade Sombria é uma espécie de híbrido que mistura crime e horror, o que me agradou imenso. Existe investigação policial, os procedimentos estão muito interessantes, bem como o que é descoberto acerca do suspeito.


George Stark é um vilão extremamente repugnante e assustou-me por diversas vezes, embora, na minha opinião, não seja tão assustador quanto Annie Wilkes, de Misery, personagem que se tornou inesquecível para mim.

Penso que Stephen King consegue fazer uma reflexão curiosa acerca do que é escrever sob um pseudónimo, uma vez que ele próprio também já escreveu sob o pseudónimo de Richard Bachman. Será que quem o faz tem mais liberdade e à vontade para escrever sobre temas que provavelmente não abordaria se tivesse de assinar com o próprio nome? Serão os livros mais autênticos se o autor caracterizar o máximo possível o seu pseudónimo, pensando nele como se fosse uma pessoa real? Afinal, poderemos ser outra pessoa quando escrevemos sob pseudónimo?

Em suma, é mais um bom livro do mestre do terror que deveria, sem dúvida, receber mais atenção por parte dos fãs do autor.

Classificação: 4/5 estrelas

domingo, 5 de maio de 2019

Passatempo Dia da Mãe


Para assinalar o Dia da Mãe que hoje se comemora, decidi sortear este livro pelos meus seguidores.

Para participar, só quero que descrevam a vossa mãe numa palavra.

Regras:

- Ser seguidor do blogue, da minha página de Facebook e do meu Instagram;
- A partilha não é obrigatória, mas será bem-vinda;
- O passatempo inicia-se hoje e termina dia 18 de maio, às 14h59.
- Apenas uma participação por pessoa.
- O sorteio será efetuado no Random.org.
- O vencedor será publicado no blogue e contactado por e-mail, tendo 24h para responder, indicando a morada para envio do prémio.
- São aceites publicações de Portugal Continental e Ilhas.
- O envio do prémio ficará a meu cargo (não me responsabilizo por extravios nos CTT).

sábado, 4 de maio de 2019

Projeto Conjunto | Empréstimo Surpresa [Livro Recebido]


Esta semana chegou cá a casa mais um livro da Silvana. Desta vez, ela tinha-me pedido para escolher três características que esse livro deveria ter. Assim, eu escolhi: um livro até 450 páginas, que não fosse histórico e que me fizesse rir.

E este foi o livro que ela achou mais adequado e que seguiu viagem:


Fiquei contente com a escolha dela e acredito que vai ser muito bom voltar a ler um livro desta autora, de quem não leio nada há cerca de três anos.
Como iniciei hoje um romance histórico, poderei encaixar este livro pelo meio, no caso de sentir necessidade de uma leitura mais descontraída.

Obrigada Silvana!
Visitem o blogue dela para conhecerem os motivos de me ter enviado este livro.

quarta-feira, 1 de maio de 2019

Palavras Sentidas


"Na escuridão, o que é racional torna-se estúpido, e a lógica reduz-se a um sonho. Na escuridão, pensa-se com a pele."

Misery
Stephen King

"O Segredo da Cascata dos Murmúrios" de Ana Nunes [Opinião]


Este é o segundo livro da coleção 4 Quadrantes, da autora Ana Nunes, publicada pela Coolbooks.

Os nossos 5 amigos vão passar férias à pequena aldeia de Pitões das Júnias, situada no concelho de Montalegre, norte de Portugal. Julgavam eles que iriam ter uma férias pacatas, num local onde não acontece nada, mas bem que se enganaram. É neste belo local que vão viver mais uma aventura.

Gosto imenso do facto de a autora aproveitar para dar a conhecer aos jovens locais do nosso país que podem não ser do conhecimento de todos. Confesso que fiquei agradada com as descrições dadas pela autora e, mais tarde, dei comigo a pesquisar no google imagens da bela cascata e das paisagens que esta pequena aldeia tem para oferecer. Acho que deve ser um local maravilhoso para visitar, para todos aqueles que adoram estar em contacto com a natureza.


A par disso, somos ainda brindados com costumes e festas locais, com linguagem típica e até com lendas. A capa do livro é lindíssima e ilustra na perfeição a lenda do duende e a cascata.

É um livro que certamente cativará os mais jovens por conjugar uma linguagem acessível para a sua idade com as novas tecnologias, nomeadamente as redes sociais.

Apenas achei que o final, a resolução do mistério, foi semelhante ao do livro anterior e que a autora poderia ter apostado em algo diferente. Mas, apesar disso, foi uma leitura leve e que gostei de conhecer.

Classificação: 3/5 estrelas