quinta-feira, 19 de julho de 2018

"A Rapariga-Corvo" de Erik Axl Sund [Opinião]


Comprei este livro o ano passado na Feira do Livro e acabei por emprestá-lo à minha melhor amiga antes de eu própria o ler. Quando mo devolveu, ela disse-me que já tinha lido toda a trilogia e que eu teria de o ler o mais depressa possível e que iria precisar dos outros dois volumes com urgência.

Decidi então embrenhar-me na leitura deste thriller, o primeiro volume da série As Faces de Victoria Bergman.

A história vai-se centrando em Jeanette Kihlberg, uma polícia que investiga uma série de homicídios macabros de meninos em Estocolmo. São casos difíceis, com poucas pistas, e, quando surgem suspeitos, nem o procurador autoriza a que essas pessoas sejam investigadas.

Paralelamente, conhecemos também Sofia Zetterlund, uma psicoterapeuta que trata de casos difíceis, trabalha maioritariamente com pessoas traumatizadas. Neste momento, tem dois pacientes desafiantes: Samuel Bai, uma criança-soldado, e Victoria Bergman, uma mulher com um profundo trauma de infância.

Ambos os pacientes de Sofia sofrem de transtorno dissociativo de personalidade, um tema sobre o qual muito me agradou ler. Já tinha visto esta temática explorada em filmes, mas creio que foi a primeira vez que li algo do género. Senti-me fascinada com um capítulo em que Sofia explora as várias personalidades de Samuel Bai e só fiquei com pena de ter achado pouco.

Victoria Bergman é uma mulher estranha, que sofreu horrores na sua infância. Mesmo com os capítulos que nos transportam para o passado, ainda ficou muito por contar acerca desta mulher.

Os capítulos são pequenos, o que torna a leitura bastante dinâmica. No início, estava a custar-me adaptar-me à leitura porque me parecia haver pouca ação e muitas informações acerca da vida pessoal das protagonistas. Mais para o fim, compreendi que tal era necessário para o desenrolar dos acontecimentos.

Este é um livro duro, sombrio, que explora o tema da pedofilia e do tráfico de crianças. É um livro onde a maldade está muito presente, nos arrepia e nos faz revolver o estômago.
Perto do final, surge uma reviravolta completamente inesperada. Foi isso que me fez terminar o livro a uma velocidade estonteante, tal era o meu desejo de compreender.
Cheguei ao fim a desejar poder ler de imediato o volume seguinte, tal como a minha amiga bem me avisou.

Recomendo vivamente este thriller extraordinário e estou desejosa de ler a continuação da trilogia.

Classificação: 4/5 estrelas

Sem comentários:

Enviar um comentário