quinta-feira, 24 de novembro de 2016

"Cinder" de Marissa Meyer [Opinião]


Cinder é o primeiro volume da série Crónicas Lunares e chegou à minha estante há alguns meses. Confesso que estava ansiosa por lê-lo, não só pelas boas opiniões e recomendações, como também por adorar distopias e mundos futuristas.

Este ano ainda não me tinha dedicado a este género literário, pelo que a leitura de Cinder foi uma lufada de ar fresco. Revelou-se tão viciante que andei uma semana a deitar-me mais tarde do que o habitual, dado que não conseguia "ler só um ou dois capítulos". Desta forma, devorei o livro num instante.

Cinder é um re-telling do conto clássico da Cinderela, mas passado num mundo futurista onde existem robots, andróides e cyborgs.
Cinder é cyborg, é considerada um erro tecnológico pela sociedade, contudo essa condição traz-lhe a vantagem de ter excelentes capacidades para reparar aparelhos, o que faz dela a melhor mecânica de Nova Pequim. É essa reputação que leva o príncipe Kai a ir ter com ela, pedindo-lhe que repare um andróide antes do baile anual.
Entretanto, a sua irmã mais nova é contagiada pela peste fatal e a madrasta, culpando Cinder pela doença da filha, oferece-a como cobaia para as investigações relacionadas com a praga. Rapidamente os cientistas descobrem que Cinder apresenta características que a tornam única mas que também a colocam em perigo.

Adorei a forma como a autora adaptou este conto clássico e o transformou numa história futurista bastante original e com um mundo complexo. A narrativa está bem estruturada e permite-nos ir conhecendo todas as características deste mundo. Senti-me fascinada com a criatividade e imaginação da autora.

Além da vida na terra, este mundo apresenta-nos a evolução que permite a vida na Lua. Os seus habitantes, os Lunares, são governados por uma rainha temível que também ameaça o futuro terrestre.

A construção das personagens é outro aspeto positivo; estas conseguem cativar-nos ou repelir-nos com as suas personalidades. A relação entre Cinder e Kai deixa-nos de coração apertado de cada vez que aparece mais um dilema ou mais um segredo entre eles.

O final ficou um bocadinho em aberto, mas deixa-nos com uma vontade ainda maior de seguir para o volume seguinte. Pelo que me parece, o segundo livro trata-se do conto da Capuchinho Vermelho, contudo vai continuar a acompanhar as aventuras de Cinder. Espero conseguir lê-lo em breve para descobrir de que forma é que a autora continuou a história.

Em conclusão, este livro está recomendadíssimo; para mim foi uma grande surpresa e o meu único erro foi não o ter lido mais cedo.

Classificação: 5/5 estrelas

1 comentário: