sábado, 13 de janeiro de 2018

"O Adeus às Armas" de Ernest Hemingway [Opinião]


O Adeus às Armas foi a minha primeira leitura de 2018 e foi uma das prendas de Natal que recebi. Como o tinha folheado e lido os dois primeiros capítulos no dia de Natal, decidi levá-lo para a mesinha-de-cabeceira para que fosse o primeiro livro do novo ano.

Já tinha lido, há alguns anos, O Velho e o Mar e ainda não tinha surgido a oportunidade de ler mais nenhum livro do autor. Parti para a leitura deste romance com grande curiosidade.
Esta é a história de Frederic Henry, um condutor de ambulâncias que presta serviço na frente italiana, durante a Primeira Guerra Mundial, e que acaba por se apaixonar por uma enfermeira inglesa.

A história é narrada em primeira pessoa pelo próprio Frederic que, no início do livro, nos dá a conhecer o seu dia a dia, bem como outras personagens secundárias, umas mais interessantes do que as outras. Posteriormente, é-nos apresentada Catherine, a enfermeira por quem Frederic se virá a apaixonar.

A escrita, embora característica do autor e por vezes descritiva, não condiciona a leitura, que acaba por decorrer com bastante fluidez.
O que mais me fez confusão, nesta leitura, foram os diálogos. São demasiado contidos e até me pareceram um pouco artificiais. Creio que lhes falta emoção, sentimento em cada fala.
Alguns diálogos, nomeadamente entre Catherine e Frederic, eram repetitivos, o que tornava a relação entre os dois desinteressante.

Houve, contudo, alguns diálogos em que as personagens refletiam acerca da guerra, do seu sentido e objetivo, e parecem-me continuar atuais nos dias de hoje em que continua a existir tanta guerra e sofrimento e inevitavelmente acabamos por nos questionar acerca do seu sentido.

O final foi bastante forte e, se fosse num outro livro qualquer, provavelmente ter-me-ia deixado em lágrimas. Aqui não aconteceu. Senti-me presa e ávida por ler rapidamente aquelas páginas, mas faltou-me alguma da emoção que mencionei mais acima.

Na globalidade, posso dizer que, apesar de não me ter deixado totalmente entusiasmada, não foi uma má experiência. Fiquei com vontade de conhecer outras obras do autor e espero ter oportunidade de as explorar no futuro.

Classificação: 3/5 estrelas

5 comentários:

  1. Aprecio o gosto pela Leitura.

    Beijos e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  2. Confesso que este é um dos meus dois livros favoritos do Hemingway. Percebo que a relação entre os dois não é a mais entusiasmante, mas é precisamente isso que gosto no livro - como todas as emoções parecem advir não de um grande amor, mas do sentimento de perda por causa da Guerra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Bárbara,
      Qual é o teu outro livro preferido do autor?

      Boas leituras!

      Eliminar
    2. Olá,

      É o "Fiesta: The Sun Also Rises" :)

      Eliminar