terça-feira, 13 de agosto de 2019

"Demência" de Célia Correia Loureiro [Opinião]


Tive oportunidade de ler o Demência graças à iniciativa Demência... on the Road!, organizada pela Silvéria (The Fond Reader) e pela Cristina (Linked Books). Elas propuseram-se a deixar o Demência percorrer o país, de casa em casa, de um leitor para outro, para que esta história pudesse chegar a mais leitores.

E foi assim que esta edição da Coolbooks chegou até mim. Obrigada Silvéria e Cristina por este generoso empréstimo!

Em 2013, já tinha lido o Demência pela primeira vez, na edição da Alfarroba, cuja opinião pode ser lida aqui. Seis anos depois voltei a mergulhar nesta história, da qual já pouco me lembrava. Talvez por este motivo, foi como se estivesse a descobrir este livro pela primeira vez.

No início, custou-me um pouco a entrar no espírito do livro, mas esse é um problema que tenho tido com quase todos os livros atualmente. Ao fim de alguns dias, a leitura começou a avançar a um ritmo bem melhor e dei por mim agarrada à história. Embora o livro não seja muito rápido em ação, consegue prender-nos, transportar-nos para dentro destas páginas.


Demência foi publicado pela primeira vez em 2011, contudo continua a ser um livro muito atual, uma vez que retrata os temas da violência doméstica e da demência. Todos os dias ouvimos na televisão histórias de mulheres que morrem às mãos dos maridos ou dos ex-companheiros, por isso é impossível olhar para esses números, conhecer os casos e permanecer indiferente.

A história de Letícia é bastante dramática e, neste livro, conhecemos a sua vida depois de tudo ter acontecido. Ela ainda se encontra muito fragilizada pelo que vivenciou e o facto de regressar à aldeia onde vive a sua sogra não vai atenuar as suas dificuldades.

Este livro fez-me sentir revoltada e angustiada. Como pode uma mulher ser tão criticada porque se defendeu do marido que lhe batia? Como é que ainda se defende tanto um agressor? Embora esta história se passe num ambiente rural, acredito que muita desta mentalidade ainda está presente na nossa sociedade nos dias de hoje.

A escrita da Célia é única e cuidada e os seus livros merecem absolutamente serem lidos. Vou terminar com o que escrevi há seis anos na minha opinião: esta é uma história sobre amor incondicional e sobrevivência, sobre amizade e perdão, sobre coragem e fé nas segundas oportunidades. 


Por fim, nesta foto pode ver-se o Log Book que foi feito especialmente para os leitores que estão a participar nesta iniciativa. O caderninho é da autoria da Mafalda Fernandes, do Nuts for Paper. Aqui ficam os links para o seu blogue e instagram. Vão visitar os trabalhos dela!

Classificação: 4/5 estrelas

2 comentários:

  1. Olá querida!
    O desafio é tão giro!!! Gostei!
    Quanto ao livro, ainda não o li e já o tinha esquecido, mas esteve muito tempo na minha whislist.
    Grata por mo relembrares.
    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Marisa,
      Este desafio foi uma ideia excelente!
      Então aproveita a oportunidade e pega no livro da Célia. Vale muito a pena.

      Beijinhos

      Eliminar

Obrigada pelo teu comentário e pelo tempo que dedicaste a ler o que escrevi!