sexta-feira, 7 de fevereiro de 2020

Desafio de Escrita dos Pássaros #2.2 | O cadáver


Tema: É que isso de médicos, nunca fiando

          O cadáver

Se havia coisa de que a Doutora Lara se orgulhava era do seu trabalho. Vivia para compreender a morte e ajudar aqueles que não se podiam defender.

Aproximou-se do corpo que repousava na mesa de metal. Levantou respeitosamente a cobertura e dobrou-a para baixo até à zona da cintura.

Observou o corpo que tinha diante de si. Tratava-se de um jovem que não teria mais de 25 anos. Sentiu-se invadida por uma tristeza profunda. Não havia autópsias mais fáceis do que outras, mas era tão errado ter naquela mesa um jovem com a vida toda pela frente.

Através de uma rápida análise ao corpo, percebeu que não havia feridas visíveis. O jovem era muito bem-parecido e o corpo musculado indicava uma prática regular de exercício físico.

Segurou o bisturi na mão direita e, com segurança, aproximou a ponta afiada do peito do jovem.

― O que está a fazer?

A voz esganiçada assustou-a. Parou de imediato e voltou-se para trás. O seu assistente teria certamente chegado da pausa matinal.

Contudo, não havia ninguém na sala. Afastou-se da mesa de autópsia e deu uns passos em frente, apenas para constatar que ninguém entrara ali.

Sentiu um arrepio mesmo antes de se virar.

Nunca, em toda a sua vida profissional, assistira a um momento daqueles.

Atrás de si, o cadáver levantava-se da mesa, levando a mão direita ao cabelo para o compor, como se o facto de ter estado deitado tivesse arruinado a disposição dos seus cabelos castanhos.

― Oh meu Deus! ― A voz de Lara quase não se ouvia. ― Você está vivo!

― Vivo e de boa saúde.

Lara olhava-o estupefacta. Ele caminhava em direção a si. Ainda por cima todo nu!

― O que é que se passa?

― Isso pergunto eu. Você ia espetar-me um bisturi!

Ela quase gritou.

― Era suposto você estar morto!

Ele aproximava-se cada vez mais, parecendo procurar algo.

― O Rogério não tinha mencionado bisturis ― disse, enquanto agarrava um par de calças.

Como raio é que aquela roupa apareceu ali?, perguntou-se Lara.

― Desculpe? O que é que o Doutor Rogério tem a ver com isto?

Sentia agora a indignação a apoderar-se de si. Não podia ser coisa boa se vinha da parte do seu novo namorado, um cardiologista com pouca preocupação pela saúde das pessoas, uma vez que estava sempre a tentar provocar ataques cardíacos a toda a gente. Aquele médico não era de fiar.

― Ele queria fazer-lhe uma surpresa ― respondeu o jovem, já completamente vestido. Tirou um envelope do bolso e entregou-lho. ― Pediu que lhe entregasse esta mensagem.

Virou costas e foi-se embora, como se os últimos vinte minutos nunca tivessem acontecido.

Irritada, Lara abriu o envelope e leu a mensagem.

Olá querida! Feliz aniversário! Jantas comigo logo à noite? 

12 comentários:

  1. Um tanto macabro para um jantar de aniversário

    ResponderEliminar
  2. meu deus! que ideia mirabolante. está espectacular. original e inesperado. mas eu acabava o namoro lol beijinhos e feliz dia :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada! Nem fiquei totalmente segura com este texto porque a ideia surgiu quase à última da hora, e estava com dores de cabeça, mas fico contente que tenhas gostado!
      Beijinhos

      Eliminar
  3. :D muito bom! Imagino como seria a surpresa se ela fosse ginecologista/obtetra... Ahah

    ResponderEliminar
  4. LOLOLOL
    Opá, adorei ler este texto, está tão bom mas tão bom que nem imaginas :D
    Eu cá se recebesse uma prenda de anos destas não dizia que não, mas a voz esganiçada é que pronto, não se pode ter tudo não é? :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ohhh muito obrigada! :) É curioso que não me sentia muito segura deste texto, acabei por não conseguir exatamente o que pretendia, mas os leitores estão a reagir muito bem a ele!

      Eu acho que apanhava um susto de morte! xD

      Obrigada pela mensagem e boa semana!

      Eliminar
  5. Médico um tanto idiota, não?

    ResponderEliminar

Obrigada pelo teu comentário e pelo tempo que dedicaste a ler o que escrevi!