segunda-feira, 10 de abril de 2017

"A Rapariga de Antes" de JP Delaney [Opinião]


Quero agradecer desde já à Suma de Letras (Penguin Random House Grupo Editorial) por me ter dado a oportunidade de ler este livro antes da sua data de publicação.

A Rapariga de Antes é uma das grandes apostas da Suma de Letras para o ano de 2017, no que diz respeito ao thriller psicológico. Eu fiquei curiosa assim que vi o livro e comecei a ler as opiniões da imprensa, bem como a sinopse.

Aviso desde já que, se puderem, evitem ler a sinopse do livro pois esta revelar um spoiler importante.

A premissa deste livro é bastante interessante. O nº 1 de Folgate Street, em Londres é uma casa considerada uma obra-prima da arquitetura. É extremamente minimalista e apresenta uma renda muito baixa. Contudo, não é qualquer pessoa que consegue viver lá. Os candidatos têm de responder a um questionário bastante peculiar e aguardar que a sua candidatura seja aceite ou não.

A casa é, na minha opinião, o elemento de maior destaque neste livro e que tem tudo para tornar o livro diferente dos demais. É muito intrigante ter uma habitação onde os moradores têm de respeitar um grande número de regras, por exemplo, não são permitidos livros, almofadas, fotografias ou objetos pessoais de qualquer tipo. Confesso que iria detestar viver numa casa onde não me fosse permitido ter livros, dado que uma casa sem livros é uma casa sem alma.
Além disso, tudo na casa é informatizado, a luz acende-se sozinha e vai variando consoante a hora do dia, o duche começa a deitar água assim que sente o seu ocupante, entre muitas outras coisas. Esta parte da tecnologia e da informatização foi o que mais me excitou, embora, em algumas partes da história, a casa me tenha provocado arrepios.

A caracterização das personagens é outro aspeto que está bem conseguido neste livro. A história é narrada por duas personagens: Emma, a rapariga de antes, que viveu na casa com o seu namorado; e Jane, que ocupa atualmente a casa.
Vamos conhecendo paralelamente a vida de ambas as mulheres, começando a perceber como encontraram a casa e o que lhes aconteceu enquanto moradoras. Aos poucos vão também sendo reveladas mentiras e segredos, algo que dificulta ao leitor a avaliação do caráter das personagens. Exceptuando a Jane, que está de luto pela filha que perdeu, as outras personagens iam-me parecendo quase todas perturbadas, de alguma forma, pelo que me senti sempre em dúvida à medida que avançava na leitura.

Edward Monkford é uma personagem bastante importante ao longo da narrativa; é um homem obcessivo que me assustou por diversas vezes. Não é fácil determinar se ele é a vítima, o vilão ou o herói, mas também não é nada fácil simpatizar com ele.

O desfecho da história não foi propriamente uma surpresa e, neste aspeto, o livro não se distingue de outros dentro do género.

No geral, A Rapariga de Antes é uma narrativa empolgante e intrigante, cuja leitura recomendo aos amantes de thrillers psicológicos. Não percam a oportunidade de conhecer esta grande aposta literária da Suma de Letras.

Classificação: 4/5 estrelas

Nota: Este livro foi-me cedido pela editora em troca de uma opinião honesta.

2 comentários:

  1. Olá!
    Tenho visto muito este livro por ai.
    Parece ser interessante.
    Beijinhos e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Isaura,
      Sim, é uma das grandes apostas da Suma de Letras para este ano e gostei bastante. Experimenta! :)

      Beijinhos e boas leituras

      Eliminar