segunda-feira, 25 de março de 2013

"A Clínica do Terror" de Mary Higgins Clark [Opinião]

O primeiro livro de Mary Higgins Clark que li foi "A Hora do Mocho", já há vários anos e confesso que pouco recordo da história.
Obtive "A Clínica do Terror" através de uma troca e, tendo lido muito boas opiniões acerca deste livro, foi com grande expectativa que iniciei a sua leitura.

Logo no início, conhecemos Kate DeMaio, uma promotora de justiça que vai parar ao hospital após um acidente de carro. Nessa noite, a partir da janela do quarto, ela avista alguém a colocar o cadáver de uma mulher grávida na mala de um automóvel.
Algum tempo depois, é encontrado o corpo de Vangie Lewis, que aparentemente cometeu suicídio. O marido de Vangie começa a ser visto como suspeito, à medida que vão surgindo outras mortes de pessoas que poderiam dar alguma luz a esta investigação.

Apesar de sabermos durante todo o tempo quem é o assassino, o livro não deixa de ter interesse. O factor surpresa não está na identidade do assassino, mas sim na forma como a história se irá desenvolver e nas reviravoltas que poderão surgir.
Confesso que me foi muito difícil pousar o livro, tal é a mestria da autora em escrever com clareza e envolver o leitor numa grande aura de suspense.

Os capítulos vão mostrando o ponto de vista de várias personagens numa mesma situação, o que ajuda a compreender todos os pormenores da trama. De facto, é de aplaudir a imaginação da autora e a forma tão organizada como nos conta a história.

Este livro aborda temas como a gravidez indesejada, o aborto, a fertilização in vitro, bem como a negligência médica, temas que ainda hoje são muito atuais e que irão cativar os leitores interessados nestas temáticas.
Pessoalmente, achei esta história surpreendente e muito viciante e tenciono, no futuro, procurar mais livros da autora e continuar, espero eu, a sentir-me cativada com os seus policiais.

Classificação: 4/5 estrelas

Sem comentários:

Enviar um comentário