terça-feira, 19 de agosto de 2014

"Cartas da Nossa Paixão" de Karen Kingsbury [Opinião]

Quando comecei a ler este livro, presumi que se tratava de um romance contemporâneo, o que não está errado. Contudo, após uma breve pesquisa, percebi que o livro também se inseria na categoria de romance religioso (ou igualmente chamada de ficção inspiracional), caracterizada por apresentar uma narrativa de grande teor religioso, onde Deus assume um papel muito importante, quase como se fosse uma personagem.

Foi este mesmo aspeto que quase me levou à loucura e me irritou seriamente à medida que progredia na leitura.
Apesar de não ser muito dada à religião, tento respeitar as outras religiões, bem como as pessoas pelas suas crenças.
No entanto, ao ler este livro, onde a autora demonstrou que também ela é muito devota à religião, senti-me, de certa forma, enganada. Senti que tudo o que acontecia e não acontecia às personagens era atribuído a Deus, o que me deixou com a sensação de que elas não tinham vontade própria, não agiam por si e tudo o que faziam era por Deus, para Deus e para o glorificar.

Isto foi o que mais me desiludiu no livro; confesso que não esperava uma componente religiosa tão forte, o que acabou por me perturbar o prazer na leitura.

Falando agora um pouco da história, penso que é um tema já bastante abordado na literatura. Ellie e Nolan são dois adolescentes que se amam e que, por circunstâncias fora do seu controlo, se veem separados por muitos quilómetros e acabam por perder o contacto. Onze anos depois, chega a data do reencontro e ambos sonham com aquele momento. Será que, passados tantos anos, ainda há alguma hipótese de serem felizes?

Gostei imenso do início do livro e de ver esta amizade tão grande entre os dois jovens.
A autora conseguiu prender-me à leitura e este foi um livro que li relativamente rápido. Tenho de admitir que apreciei muito a escrita da autora e a carga emocional e dramática que ela imprimiu nestas páginas. A sua escrita é realmente comovente e dou os parabéns por isso à autora.

Acredito que se se retirassem as partes religiosas, o livro ficaria perfeito para quem gosta de histórias de amor e de perdão com segundas oportunidades e finais felizes.

Tenho algumas reservas em recomendar este livro a leitores que não apreciam romances com exagerado teor religioso mas, caso isto não vos faça diferença, então creio que será uma leitura agradável.

Quanto a mim, provavelmente não irei ler mais nenhum livro desta autora.

Classificação: 2/5 estrelas

2 comentários:

  1. Muito boa opinião.
    Eu não sou minimamente dada a religiões e até tenho um certo "rancor" relativamente ao cristianismo, mas isto já é uma componente histórica, não vamos entrar por ai...

    Bons livros de romance há aos montes, não há necessidade de ainda ter de estar a levar uma carga indirecta de "missa" ao tentar desfrutar de ler, que gosto tanto.
    Eu andava curiosa com este livro, ainda bem que não o li e vou ficar por ai, para não ganhar aversão sempre que o vir.
    Pelos vistos seria um bom livro para a minha avó, pois tendo teor religioso nem a minha mãe o lia...

    Gostei da opinião, muito útil e sincera ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada :) Eu tento ser sempre sincera nas opiniões que escrevo e também gosto de ler opiniões sinceras nos outros blogues. Quando vejo pessoas a elogiar os livros todos, acabo por desconfiar, porque acho que ninguém gosta de absolutamente todos os livros que lê.

      Em relação a este livro, irritou-me mesmo muito. Eu já li outros livros com algum teor religioso, mas este é um autêntico exagero. Por exemplo, agora de repente lembrei-me do "Nas asas do amor" (http://quandoseabreumlivro.blogspot.pt/2012/11/nas-asas-do-amor-de-sarah-sundin-opiniao.html), que também é um pouco religioso mas cuja leitura é muito mais agradável :)

      Pelo que andei a ler noutras opiniões, os livros desta autora são todos assim, portanto para mim este foi o primeiro e o último.

      Boas leituras!

      Eliminar